Home Portal Notícias “Após áudios, Janot não tem saída”, dispara deputado Pimenta sobre pedido de suspensão de ministros investigados

“Após áudios, Janot não tem saída”, dispara deputado Pimenta sobre pedido de suspensão de ministros investigados

6 min read
0

PPimenta tribuna Salu

Os áudios entre o ex-presidente da Transpetro, Sério Machado, e o ex-ministro do Planejamento, Romero Jucá, comprovaram a atuação direta do grupo político de Michel Temer em diversas frentes para obstruir o trabalho da justiça. Essa é a avaliação do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), autor de um pedido à Procuradoria-Geral da República de suspensão dos atos de nomeação dos ministros investigados criminalmente em primeiro grau do governo interino Michel Temer.

Segundo Pimenta, uma “dessas frentes” utilizadas foi alçar à condição de ministros nomes do PMDB que não possuíam foro privilegiado, caracterizando desvio de finalidade. A outra frente veio a público pelo próprio braço político de Temer, aponta o petista, referindo-se às conversas de Romero Jucá sobre o “acordão nacional, com Michel e o STF” para afastar a Presidenta Dilma Rousseff e barrar a operação Lava Jato.

Em maio, Pimenta encaminhou à PGR pedido de abertura de investigação sobre a nomeação dos ministros com inquéritos na justiça. Como fundamento, o parlamentar utilizou o próprio entendimento da Procuradoria que, em abril deste ano, solicitou ao Supremo Tribunal Federal a anulação da nomeação do ex-Presidente Lula para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil sob pretexto de “desvio de finalidade”.

Em decisão no início da semana passada, a PGR recusou o pedido do deputado Paulo Pimenta, que imediatamente recorreu da decisão. “Se o Ministério Público Federal, em um primeiro momento, e de forma equivocada, julgou que nosso questionamento ‘não merecia prosperar’, agora, já sob o impacto dos áudios de Romero Jucá, não restam dúvidas que a PGR terá que rever seu posicionamento. Janot não tem saída, terá que adotar o mesmo critério utilizado contra o ex-Presidente Lula, sob pena de abrir um precedente perigoso, contrariando inclusive o que está no despacho do MPF, que diz agir ‘independente de ideologia e cor partidária’”, avalia Pimenta.

No recurso, o petista questiona também a justificativa da PGR para arquivar o pedido. Na decisão, o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, alegou que “examinará cada situação no curso das próprias investigações em andamento e adotará as medidas processuais adequadas, quando for o caso”.

De acordo com Pimenta, “o problema” é que a representação não trata das investigações que já correm no âmbito da justiça contra os ministros de Michel Temer. “Tais investigações e processos em primeiro grau de jurisdição não são objeto dos pedidos formulados”, explica o parlamentar. “O que requeremos – e não nos consta que já existam procedimentos adotados por essa Procuradoria – é a abertura de investigação sobre os atos administrativos de nomeação praticados pelo vice-presidente da República, no exercício temporário da Presidência, com aparência de desvio de finalidade”, rebate Pimenta.

Assessoria Parlamentar

Foto: Salu Parente

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Paulão apresenta projeto que assegura prevenção e repressão ao desaparecimento forçado de pessoas

Preocupado com o crescente desaparecimento forçado de pessoas, conforme atestam dados do F…