Home Portal Notícias Comissão de Direitos Humanos repudia estupro coletivo e critica ministro que recebeu estuprador assumido

Comissão de Direitos Humanos repudia estupro coletivo e critica ministro que recebeu estuprador assumido

5 min read
0

charge violencia mulher latuffApontando o episódio como “resultado do machismo”, o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara, deputado Padre João (PT-MG), emitiu, nesta quinta-feira (26), nota de repúdio ao estupro coletivo de uma adolescente no Rio de Janeiro.

No texto, o parlamentar cobra a investigação do caso e afirma que “o combate à cultura do estupro demanda não apenas medidas judiciais”, mas respeito às mulheres.

O presidente da CDHM também criticou o ministro interino da Educação, Mendonça Filho, por ter recebido em agenda oficial um estuprador assumido, o ator Alexandre Frota, que confessou, num programa de TV, ter estuprado uma mulher. Esse fato, diz Padre João, “é inaceitável e reflete vergonhosa aceitação desse tipo de delito”. Confira a íntegra da nota:

NOTA OFICIAL

Como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, expresso profundo repúdio em relação ao crime hediondo que vitimou uma adolescente no Rio de Janeiro, de autoria de trinta homens. A gravíssima violação de direitos humanos é resultado do machismo.

É imperiosa a devida investigação com aplicação das consequências legais cabíveis. A própria divulgação das imagens nas redes sociais é reflexo da certeza da impunidade, que serve como estímulo para que essas condutas abomináveis sigam ocorrendo.

O combate à cultura do estupro demanda, porém, não apenas medidas criminais; demanda respeito às mulheres, que precisa ser ensinado através da educação formal e também pelo exemplo. Daí, inclusive, a gravidade dos atos da cúpula do governo interino.

O fato de o atual Ministro da Educação ter recebido em seu gabinete um homem que confessou ter cometido um estupro é inaceitável e reflete vergonhosa aceitação desse tipo de delito. Além disso, a composição exclusivamente masculina (e branca) do atual ministério indica retrocesso grave, pois transmite a ideia de subalternidade do gênero feminino. A participação de mulheres em espaços de poder é imprescindível, entre outras razões, para o combate à cultura de violência.

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias, no exercício de suas atribuições regimentais, acompanhará o desdobramento dos procedimentos investigativos.

Brasília, 26 de maio de 2016.

Deputado Padre João
Presidente da CDHM

Charge: Latuff

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Atentado contra caravana é reação da elite que vê aproximar-se a vitória de Lula

“O que aconteceu ontem (27) é reflexo do que estamos sentindo em toda a caravana. O fascis…