Home Portal Notícias “STF descreve modus operandi de crime organizado que atua na Câmara sob chefia de Cunha”, aponta Pimenta

“STF descreve modus operandi de crime organizado que atua na Câmara sob chefia de Cunha”, aponta Pimenta

5 min read
0

PauloPimentaVideo

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) afirmou, na tarde desta sexta-feira (6), que existem elementos para pedir que o Supremo Tribunal Federal (STF) declare a nulidade dos atos de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a partir do voto do ministro Teori Zavascki e do pedido do Ministério Público Federal, que evidenciaram a existência de uma organização criminosa atuando dentro da Câmara dos Deputados. Na quinta-feira (5), o STF, por unanimidade, decidiu pela suspensão do mandato de Eduardo Cunha e o seu afastamento da Presidência da Câmara por tempo indeterminado.

Em vídeo [ASSISTA AQUI], o deputado Paulo Pimenta diz que o processo de impeachment é a face política das ações da organização criminosa. Segundo o petista, para continuar atuando, a organização criminosa dependia de afastamento de Dilma, e Cunha usou o impeachment para escapar da cassação e para demonstrar poder de influência e capacidade de oferecer proteção a aliados.

“Se o Supremo Tribunal Federal entende que, de fato, há uma organização criminosa, cujo chefe é Eduardo Cunha, e ele foi afastado, como nós podemos aceitar que os fatos relativos ao impeachment, que foram conduzidos por ele, em um gesto de vingança e perseguição, possam ter legalidade? Estes atos são nulos, eles são frutos de uma atividade criminosa”, aponta Pimenta.

Entre as ações relacionadas pelo MPF e STF para descrever o “modus opernadi” do esquema criminoso, estão apresentação de requerimentos para constranger e intimidar parlamentares, advogados e membros do Conselho de Ética; pressionar, por meio de convocação para CPIs, representantes de empreiteiras a pagar propina para o esquema; manipulação da pauta da Câmara; perseguição a funcionários, como quando exonerou o então Diretor do Centro de Informática da Câmara dos Deputados, Luiz Antônio Sousa da Eira, que havia revelado a autoria de requerimentos formulados no gabinete de Eduardo Cunha, assinados por outros parlamentares.

Segundo o deputado Pimenta, existem teorias consolidadas na legislação brasileira que entendem que se o fato originário é criminoso, é ilegal, todos os seus desdobramentos também são. “A teoria do fruto envenenado é uma delas, ou seja, quando uma árvore é envenenada, todos seus frutos são envenenados. O ato criador do processo de impeachment é a árvore, portanto todo o processo de impeachment é nulo. É ação do crime organizado, e o ‘capo’ chama-se Eduardo Cunha”, sustenta Pimenta.

Assessoria Parlamentar

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Boletim 576 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia

Boletim 576 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia Direto de Curitiba – 19/9/2…