Home Portal Notícias Em gestão de Vicente Cândido, comissão teve papel fundamental para viabilizar acordos de leniência

Em gestão de Vicente Cândido, comissão teve papel fundamental para viabilizar acordos de leniência

8 min read
0

vicenteCandido ZecaRibeiro

O deputado Vicente Cândido (PT-SP) fez nesta terça-feira (3) um breve balanço dos trabalhos da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC), ao passar o comando do colegiado para o deputado Leo de Brito (PT-AC). O deputado afirmou que, mesmo sendo o ano de 2015 um período atípico, com crise econômica e alto acirramento político, a comissão encontrou caminhos para ajudar o País. Ele destacou em especial o trabalho do Fórum Permanente (grupo de trabalho), que discutiu os efeitos da Operação Lava-Jato nos empregos do País. “Reunimos e debatemos com empresários, governo e trabalhadores em busca de saídas para manter garantir empregos e punir os maus empresários”, afirmou. 

O principal ganho dos debates promovidos no Fórum, na avaliação do deputado Vicente Cândido, foi a viabilização dos acordos de leniência para preservação de empresas nacionais, dos empregos dos trabalhadores e do conhecimento acumulado, especialmente na indústria naval-petrolífera. Com esses acordos, explicou o parlamentar que se despediu da presidência da Comissão, foi possível separar o joio do trigo. “As empresas cumprem suas obrigações e colaboram para que dirigentes que tenham cometido crimes possam ser processados, julgados e punidos, sem que tenham de interromper contratos ou sejam impedidos de efetivar novas contratações”, afirmou.

A contribuição do colegiado, continuou Vicente Cândido, foi aprovar um projeto da própria CFFC com mudanças na Lei de Combate à Corrupção, quando havia questionamentos sobre a possibilidade da Controladoria-Geral da União estabelecer tais acordos. Na gradação de punições, até a troca de controle acionário poderia vir a ser exigida. As mudanças foram solicitadas em reuniões com representantes de empresários e trabalhadores. Esses últimos reiteraram a necessidade de compromissar empresas a garantir direitos trabalhistas e empregos.

Além dos debates sobre a Lava-Jato, a Comissão de Fiscalização também debateu, analisou e fiscalizou temas como a Operação Zelotes, focada inicialmente na sonegação de impostos por empresários, com ajuda de servidores, no valor total de R$ 19 bilhões, superior ao investigado na Lava-Jato.

“A divulgação da existência de ativos brasileiros na Suíça, que ensejavam prática de evasão fiscal, por meio de contas secretas no Banco HSBC, motivou reuniões e a conclusão da necessidade de aperfeiçoar a legislação penal”, destacou Vicente Cândido.

As obras do parque olímpico no Rio de Janeiro e as dificuldades da telefonia fixa e móvel, que geram reclamações de usuários, foram igualmente objeto de debates na CFFC.

Os integrantes da comissão aprovaram também debates sobre o Tribunal de Contas da União, o regime diferenciado de contratação na administração pública, o controle de fronteiras, e outros temas de repercussão, como a tragédia em Mariana (MG).

Vicente Cândido acredita que o novo presidente, Leo de Brito dará continuidade aos trabalhos que são permanentes no colegiado. Entre eles citou a sonegação de impostos tratada na Operação Zelotes e das olimpíadas, que acompanhará as contas das obras até depois da entrega do parque olímpico.  Ele destacou ainda a importância de se fazer uma fiscalização sobre a situação das concessões no Brasil para saber os detentores das concessões estão com os seus impostos em dia.

Vânia Rodrigues, com site da CFFC
Foto: Salu Parente/PT na Câmara
Mais fotos no www.flickr.com/ptnacamara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líderes repudiam massacre de trabalhadores

Os líderes do PT no Senado e na Câmara divulgaram nota de repúdio ao massacre de trabalhad…