Home Portal Notícias PGR pede para investigar Aécio por suspeita de propina em Furnas e maquiagem em dados do Banco Rural

PGR pede para investigar Aécio por suspeita de propina em Furnas e maquiagem em dados do Banco Rural

9 min read
0

tucano

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (2), abertura de dois inquéritos para apurar o suposto envolvimento do presidente nacional do PSDB e senador Aécio Neves (MG) em desvio de dinheiro de Furnas Centrais Elétricas e em maquiagem de dados do Banco Rural – em CPI no Congresso – para esconder o mensalão tucano. A base dos pedidos é a delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) e a decisão de determinar a abertura dos inquéritos está com o ministro Teori Zavascki.

Caso o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, determine abrir as investigações, Aécio Neves, um dos principais defensores da queda da presidenta Dilma Rousseff, passará a ser oficialmente investigado na Lava Jato.

Lista de Furnas – O escândalo de desvio de dinheiro público para a suposta constituição de um caixa 2 para irrigar campanhas do PSDB nas eleições de 2002 ficou conhecido como a lista de Furnas, nome da estatal que foi usada como fonte dos recursos. Em valores atualizados, o montante desviado chegaria a R$ 108,2 milhões das Furnas Centrais Elétricas S.A.

Segundo os indícios investigados até agora, a operação nasceu de licitações superfaturadas de Furnas, em contratos com empresas terceirizadas. Com cinco páginas, a lista de Furnas trazia nomes de 156 políticos com os respectivos valores que teriam recebido do dinheiro desviado. Além de Aécio, também apareciam os nomes dos tucanos José Serra e Geraldo Alckmin.

Em sua delação, Delcídio do Amaral cita Aécio Neves e também o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como beneficiários do esquema. Segundo Delcídio, “Aécio tinha um vínculo muito forte com o ex-diretor de Furnas Dimas Toledo e sem dúvida recebeu propina do esquema”.

Doleiro Youssef – O esquema de propina em Furnas para beneficiar os tucanos também foi confirmado pelo doleiro Alberto Youssef, em seu depoimento na CPI da Petrobras. Youssef afirmou que Aécio Neves, à época candidato ao governo de Minas Gerais, foi um dos que receberam dinheiro de Furnas e que a Polícia Federal e a PGR deveriam investigar as suspeitas. “Confirmo isso por conta do que eu escutava do deputado José Janene, que era meu compadre e eu era operador dele”.

Em depoimento ao juiz Sério Moro, o delator Fernando Moura também confirmou que o tucano Aécio controlava as propinas de Furnas. “É um terço [das propinas] São Paulo, um terço nacional e um terço Aécio”, relatou Moura, sobre reunião de 2002 que escolheria as indicações para a diretoria de estatais.

As empreiteiras envolvidas no esquema de Furnas seriam as mesmas implicadas no esquema da Petrobras: Andrade Gutierrez, OAS, Camargo Corrêa e Odebrecht.

Banco Rural – Sobre a maquiagem de dados do Banco Rural, Delcídio afirmou que os dados fornecidos pelo extinto Banco Rural à CPI dos Correios atingiriam o tucano Aécio Neves “em cheio” se não tivessem sido “maquiados” pela instituição financeira. Delcídio, que presidiu a CPI em 2005, explicou que quando a comissão autorizou a quebra de sigilo de pessoas e empresas, entre elas o Banco Rural, surgiu “certo incômodo” por parte do PSDB, incluindo o então governador Aécio Neves.

Ainda, segundo Delcídio, Aécio enviou emissários à CPI para que o prazo de entrega das quebras de sigilo fosse “delongado”, sob a justificativa de que não haveria tempo hábil para preparar as respostas à comissão. Delcídio acrescentou que, “foi com surpresa que percebeu, ao receber as respostas, que o tempo fora utilizado para maquiar os dados que recebera do Banco Rural; (…) Que os dados atingiriam em cheio as pessoas de Aécio Neves e Clésio Andrade, governador e vice-governador de Minas Gerais”, diz o texto da delação.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) também deve ser investigado, no caso do Banco Rural. Segundo Delcídio, ele sabia que os dados estavam sendo maquiados.

PMDB – O procurador-geral da República pediu ainda ao STF a investigação dos fatos relativos à propina da usina hidrelétrica de Belo Monte envolvendo quatro senadores do PMDB: Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR), Valdir Raupp (RO) e Jader Barbalho (PA). Nesse caso, porém, não foi aberto inquérito específico, mas foi feito o compartilhamento da delação de Delcídio que relatou o caso nos inquéritos já existentes contra os senadores.

PT na Câmara com agências

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líderes repudiam massacre de trabalhadores

Os líderes do PT no Senado e na Câmara divulgaram nota de repúdio ao massacre de trabalhad…