Home Portal Notícias Petistas mostram absurdo de processo que pode privilegiar Eduardo Cunha sobre quem recaem denúncias gravíssimas

Petistas mostram absurdo de processo que pode privilegiar Eduardo Cunha sobre quem recaem denúncias gravíssimas

8 min read
0

Valmir BohnGass Pimenta

Os deputados Valmir Assunção (PT-BA) e Bohn Gass (PT-RS) e Paulo Pimenta (PT-RS) manifestaram indignação, em plenário, com o momento político do país que culminou com a instalação de comissão para analisar processo contra a presidenta Dilma Rousseff sem qualquer fundamento que embase seu impedimento legal. Ele lembram os absurdos que envolvem todo esse processo e que pode vir a favorecer o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, envolvido em denúncias seríssimas de corrupção.

“Estamos vivendo um período em que o grande debate está nas questões da Lava-Jato, é justamente quem está ou não na lista da Odebrecht, e quem está nas delações premiadas. E o que está sendo discutido na Comissão Especial do Impeachment? Está sendo discutido o impeachment da Presidente Dilma que não está vinculado à Operação Lava-Jato; não está vinculado à lista de doação de empresas e à corrupção. Está sendo discutido o impeachment porque houve, em 2015, seis decretos de abertura de crédito, dois assinados por Michel Temer, e os outros quatro pela Presidente Dilma. E esses decretos dizem que esses recursos têm que ser destinados à abertura de crédito para a educação brasileira, para as universidades públicas…”, listou.

Lembrou o deputado o absurdo ainda maior da situação uma vez que, se cassarem a Presidente Dilma para tornar Michel Temer presidente, o vice-presidente da República será o deputado Eduardo Cunha, que preside a Câmara. Valmir Assunção recordou que o Ministério Público da Suíça já mandou para o Brasil todas as contas que Eduardo Cunha tem naquele país. “O patrimônio dele está sendo analisado pelo Supremo Tribunal Federal, mas é justamente ele que se tornará vice-presidente da República. Não é possível que a maioria dos deputados ou a população brasileira possam premiar o Eduardo Cunha com a vice-presidência do Brasil! Isso é uma insensatez!”, vaticinou.

Para Valmir Assunção, não é possível aceitar essa situação.” Sabem por quê? Porque, durante esse período de investigação contra todo mundo, não encontraram nada contra nossa Presidente, porque ela é uma mulher séria, uma mulher honrada. E ela vai continuar governando o Brasil até 2018. Disso vocês podem ter convicção!”.

Golpe – Também o deputado Bohn Gass afirmou que, pela lei, o impedimento só vale quando há crime de responsabilidade. E não há crime de responsabilidade. “A presidente é mal avaliada. O Fernando Henrique Cardoso também foi. Há o problema da economia. Momento de economia? Nós já o tivemos em vários momentos, inclusive o Brasil está trabalhando para não ter os efeitos da economia mundial sobre a economia brasileira. Então, onde é que reside o problema? Esta Casa julga sem ter amparo legal. Então, quando não há amparo legal, é golpe!”, enfatizou Bonh Gass.

Para o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) não há outro nome para caracterizar o movimento midiático, jurídico em curso no País hoje que não seja o de golpe. “É evidente que a Constituição prevê o estatuto do impeachment; no entanto, a mesma Constituição e a Lei 1.079 são muito claras: para que ocorra o impedimento de um Presidente da República é necessário que tenha ocorrido o crime de responsabilidade. Todos nós sabemos, nós do Governo, a Oposição …, que a Presidenta não cometeu nenhum crime que possa ser considerado crime de responsabilidade”, concluiu.

PT na Câmara

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotos: www.flickr.com/photos/ptnacamara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Prazo curto para aprovação do Fundeb coloca entidades da Educação em alerta

Após aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização d…