Home Portal Notícias Frente Parlamentar em Defesa da Democracia será lançada nesta quarta, na Câmara

Frente Parlamentar em Defesa da Democracia será lançada nesta quarta, na Câmara

5 min read
0

margaridasalomao

Em mais um ato de resistência à tentativa de golpe orquestrada pela oposição, pela grande mídia e por setores do Ministério Público, Judiciário e da burocracia do Estado contra o governo da presidenta Dilma, será lançada nesta quarta-feira (30) a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Democracia. O ato está marcado para as 15h30, no Salão Verde da Câmara dos Deputados.

Para a deputada Margarida Salomão (PT-MG) – que já aderiu oficialmente ao colegiado- a atual tentativa de votar o impeachment da presidenta Dilma Rousseff sem a comprovação de qualquer crime de responsabilidade atribuída a ela, caracteriza um golpe contra a vontade popular.

“Impeachment é um instituto constitucional. A Constituição Brasileira prevê o impeachment, mas o prevê dentro de uma condição específica: quando o governante comete crime de responsabilidade. Nada do que está de plano de fundo desse debate tem relação com crime de responsabilidade. O impeachment não é por causa da corrupção ou pela Lava Jato’, ressalta Margarida.

A parlamentar explica que a oposição tenta votar o impeachment de Dilma por conta de seis decretos, assinados em 2015 pela presidenta, nos quais foram realizadas suplementações orçamentárias dentro do que a Lei. “É essa a situação do impeachment. Não tem nada a ver com corrupção”, destaca a petista.

A parlamentar alerta ainda que muitos dos políticos que trabalham pelo impeachment não resistem a uma investigação mais aprofundada. Ela citou como exemplo a recente divulgação da lista de doações eleitorais da Odebrecht, onde aparecem nomes de líderes da oposição como Aécio Neves e o vice-presidente Michel Temer. “Teve uma pessoa que não apareceu: a presidenta Dilma”, destaca Margarida Salomão.

A petista alerta ainda que nem mesmo a impopularidade momentânea de um governante pode ser considerada motivo para o impeachment.

“É preciso ter um pouco de racionalidade. Por que rasgar a constituição se um governo é impopular? Pensem na situação dos prefeitos, a maioria pessimamente avaliada. A população vai para rua pedindo a renúncia deles ou o Impeachment já? Como teremos estabilidade na gestão desse país? ”, indaga.

Equipe PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputadas do PT repudiam caso de estupro coletivo no Rio de Janeiro e cobram punição exemplar

O estupro de uma adolescente por mais de 30 homens no Rio de Janeiro causou revolta e indi…