Home Portal Notícias Fechamento de escolas em São Paulo é autoritário e piora qualidade do ensino, apontam especialistas

Fechamento de escolas em São Paulo é autoritário e piora qualidade do ensino, apontam especialistas

6 min read
0

valmirPrascidelli

Representantes do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e da Campanha Nacional pelo Direito a Educação acusaram o governo tucano de Geraldo Alckmin de atuar de forma “autoritária e equivocada” na imposição do plano de “reorganização” do ensino no estado. A afirmação ocorreu durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (26) na Câmara, proposta pelo deputado Valmir Prascidelli (PT-SP), que debateu os impactos do já anunciado fechamento de 94 escolas, pela secretaria de Educação de São Paulo.

Convidado a explicar os motivos para o fechamento das escolas o Secretário de Educação do Estado de São Paulo, Herman Jacobus Voorwald, limitou-se a enviar uma carta justificando a ausência no debate e defendendo o plano do órgão, sem ao menos indicar um representante para participar da reunião.

Na avaliação do deputado Valmir Prascidelli, a desorganização do Estado no comando da educação explica a queda na qualidade do ensino no Estado. “Nos últimos 20 anos (todos sob o comando do PSDB), a cada ano tem piorado o desempenho dos estudantes nos exames e indicadores da qualidade do ensino”, apontou.

Por conta da falta de explicação sobre a suposta “reorganização”, 165 escolas públicas encontram-se ocupadas por estudantes.

Na avaliação do diretor da Apeoesp, Professor Fláudio Limas, a ausência de representantes do governo estadual demonstra a forma autoritária como a questão vem sendo conduzida. “Essa tal ‘reorganização’ para nós (da Apeoesp) é uma bagunça do sistema de ensino do Estado. Além de não ter havido qualquer discussão com alunos, pais ou comunidade, os motivos alegados- a suposta ociosidade de salas- também não corresponde a realidade”, denunciou Limas.

Segundo o dirigente da Apeoesp, enquanto o Plano Nacional de Educação (PNE) propõe aumento nos recursos para a educação – advindos da exploração do Pré-Sal –, o Plano Estadual (incentivado pelo governo Alckmin) “empurra” para os municípios os gastos com o ensino fundamental e condiciona a aplicação de recursos estaduais a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Para a representante da Campanha Nacional pelo Direito a Educação, Maria Rehder, “falar em fechamento de escolas é um absurdo”. Segundo ela, a decisão do governo tucano também “é arbitrária por não ter sido sequer debatida com os estudantes e profissionais do ensino”.  

Professores – Em relação aos professores, o dirigente da Apeoesp disse que a “reorganização” do ensino proposta pelo governo Alckmin deve estimular a saída de mais professores do sistema público.

Segundo ele, por conta dos baixos salários muitos profissionais trabalham em até duas ou mais escolas, e o fechamento dessas unidades de ensino vai obrigar muitos a abdicarem de uma fonte de renda, ocasionando a procura por outro emprego.

Héber Carvalho

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Incompetência do governo na correção do Enem pode prejudicar milhares de estudantes, denunciam petistas

Deputados da Bancada do PT utilizaram suas redes nesta segunda-feira (20) para criticar os…