Home Portal Multimídia “Discutir gênero é essencial para o combate à violência e à discriminação nas escolas”, defende Margarida

“Discutir gênero é essencial para o combate à violência e à discriminação nas escolas”, defende Margarida

5 min read
0

margarida alexferreira

Questões de gênero devem ser discutidas nas escolas públicas. É o que defende a deputada Margarida Salomão (PT-MG). Durante audiência pública da Comissão de Educação da Câmara para debater a inclusão da “ideologia de gênero e orientação sexual” entre as diretrizes da Conferência Nacional de Educação de 2014 para aplicação do Plano Nacional de Educação (Lei 13.005/14), a parlamentar afirmou que “ideologia de gênero” é uma proposição “extraordinariamente infeliz”.

Para Margarida, a expressão “leva a supor que na escola haja qualquer outra coisa que não seja uma formação ideológica, de um perfil ou de outro” e que isso seria um dado descolado do conhecimento científico.

Para ela, a educação moderna é, e deve continuar sendo, inteiramente comprometida com a ciência. “Ensinamos na escola que a terra se move em torno do sol, mas há 400 anos isso foi considerado uma heresia. Em 1992, quando comemoramos os 350 anos da morte de Galileu, o Papa João Paulo II pediu perdão a ele em nome da Igreja Católica, por todo o sofrimento e perseguição. Eu pergunto: quanto tempo será que nós vamos demorar para pedir perdão às mulheres, aos homossexuais e aos transgêneros? Simplesmente porque nós não queremos fazer aquilo que estamos endossados cientificamente a fazer”, afirmou a parlamentar.

“Historicamente, no Brasil, o perfil é machista, racista, patriarcal e antifeminista. Então, se há um movimento na sociedade para descontruir esta ideologia, e com toda certeza esse movimento também tem uma natureza ideológica, isso é absolutamente legítimo, pois afinal de contas, na escola, o que efetivamente nós temos é uma disputa de ideologia”, complementou Margarida.

A deputada defendeu também a autonomia escolar. “As escolas têm uma natureza de autonomia na sua gestão, e se não tiverem autonomia, estarão mortas. O que não quer dizer, evidentemente, que se deva pregar na escola, por exemplo, o nazismo ou qualquer coisa que contrarie a Constituição brasileira. A Constituição brasileira é maior que o Plano Nacional de Educação e é absolutamente clara na sua definição de que nós devemos, nas políticas educacionais, lutar contra qualquer tipo de discriminação”, observou.

Assessoria Parlamentar

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Boletim 428 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia

Boletim 428 – Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia Direto de Curitiba – 23/4/2…