Home Portal Notícias Projeto sobre direito de resposta já influencia conduta da imprensa e Globo desmente notícia falsa sobre Lulinha

Projeto sobre direito de resposta já influencia conduta da imprensa e Globo desmente notícia falsa sobre Lulinha

7 min read
0

WadihDamous GustavoB2

A presidenta Dilma Rousseff deve sancionar nos próximos dias o projeto de lei (PLS 141/11), de autoria do senador Roberto Requião (PMDB-PR), que estabelece os procedimentos para o exercício do direito de resposta por pessoa ou empresa em relação à matéria divulgada pela imprensa. Aprovada nas duas casas legislativas (Câmara e Senado) o projeto regulamenta um direito já previsto no artigo 5º da atual Constituição de 1988, mas que prescindia de norma infraconstitucional para sua adoção.

Para o deputado Wadih Damous (PT-RJ), a regulamentação do direito de resposta é uma conquista da sociedade uma vez que aperfeiçoa a democracia brasileira.

“Essa lei, que já vem tardiamente, resgata um direito fundamental que havia sido praticamente abolido com a revogação da antiga Lei de Imprensa pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Agora, o cidadão atacado de forma irresponsável e mentirosa poderá usufruir de um instrumento de resgaste da verdade que já vigora nas mais sólidas democracias do mundo. Espero que a Presidenta Dilma sancione logo esse projeto que aprimora a nossa democracia”, afirmou.

Antes mesmo de entrar em vigor, o projeto que institui o direito de resposta já surte efeito na mídia. A prova é o desmentido publicado na primeira página do jornal O Globo, deste domingo (8), corrigindo uma falsa informação divulgada na estreia da coluna do jornalista Lauro Jardim. Ele noticiou que o lobista Fernando Soares (Fernando Baiano), havia citado Fábio Luís Lula da Silva (Lulinha), filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em suas delações.

O texto original do jornal afirmava que, na delação, Baiano dizia ter gastado R$ 2 milhões para pagar despesas pessoais de Fábio Luís. Em nota divulgada no dia 11 de outubro, o advogado de Fábio Luís Lula da Silva, Cristiano Martins, disse que seu cliente “jamais recebeu qualquer valor do delator mencionado”.

Apesar do reconhecimento tardio pela falsa “informação”, o espaço restabelecendo a verdade ocupou um espaço muito menor do que a da manchete principal preenchida pela mentira do colunista do jornal.

Projeto- O projeto do senador Roberto Requião (PMDB-PR) estabelece que o ofendido tenha até 60 dias para pedir ao meio de comunicação o direito de resposta ou a retificação da informação. O prazo conta a partir de cada divulgação.

A proposta considera ofensivo o conteúdo que atente contra a honra, a intimidade, a reputação, o conceito, o nome, a marca ou a imagem de pessoa física ou jurídica. A resposta deverá ser do mesmo tamanho e com as mesmas características da matéria considerada ofensiva, se publicada em mídia escrita ou na internet. Na TV ou na rádio, também deverá ter a mesma duração e o alcance territorial.

Héber Carvalho com informações do PT Senado e Agência Senado

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotos: www.flickr.com/photos/ptnacamara

Ouça o Deputado José Mentor na Rádio PT

” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Oficialmente sem comando, Saúde não apresenta plano de combate ao Covid-19

No dia 15 de maio, Nelson Teich foi afastado do Ministério da Saúde. Desgastado por sua di…