Home Portal Notícias Regulamentação do Marco Civil da Internet deve focar em neutralidade da rede e segurança de dados, defendem especialistas

Regulamentação do Marco Civil da Internet deve focar em neutralidade da rede e segurança de dados, defendem especialistas

6 min read
0

defesadoconsumidor

Nos debates que antecedem a regulamentação do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14) a grande preocupação da sociedade é sobre a neutralidade da rede e os procedimentos de segurança que os provedores devem ter com os dados de usuários da rede. Esta foi a constatação de representantes do ministério da Justiça, da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico e do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia (SindiTelebrasil).

Reunidos durante audiência pública na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara, para debater a regulamentação do Marco Civil da Internet, os representantes de todas as instituições informaram que realizaram nos últimos meses consultas públicas para colher sugestões sobre a regulamentação da nova lei.

O Marco Civil da Internet foi promulgado pela presidenta Dilma Rousseff em abril do ano passado, mas ainda aguarda a regulamentação de alguns pontos importantes da legislação que garante direitos aos usuários no ambiente virtual.

Representando o Ministério da Justiça, o assessor da Secretaria de Assuntos Legislativos do órgão, Marcelo Chilvarquer, disse que na consulta pública aberta para colher sugestões “a neutralidade da rede e a proteção de dados dos usuários foram os assuntos que suscitaram as maiores preocupações”.

Já o conselheiro da Anatel, Rodrigo Zerbone Loureiro, destacou que a função do órgão coincide com a preocupação dos usuários. “A Anatel tem como missão evitar que ocorra tratamento diferenciado a usuários com os mesmos direitos, discriminando quem pode ou não ter acesso a certos dados ou informações”, explicou.

Ele disse ainda que a Anatel estará atenta à cobrança dos serviços de internet no País. “A diferenciação de preços pode ocorrer em função da velocidade da conexão e do volume de dados, mas não em relação à qualidade dos serviços”, alertou Ricardo Loureiro.

Ao concordar com a avaliação do conselheiro da Anatel, o representante da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, Leonardo Palhares, disse que concorda com o combate à discriminação, mas alertou que o novo Marco prevê exceções. “O tratamento deve ser igualitário, mas a regulamentação deve ser clara sobre os casos específicos”, observou.

Segundo a Lei do Marco Civil da Internet, as operadoras podem tratar de forma diferente os usuários apenas em casos de “requisitos técnicos indispensáveis à prestação adequada dos serviços e aplicações” e “priorização a serviços de emergência”. Esse é um dos pontos mais polêmicos da nova lei e que aguarda regulamentação.

“A nossa expectativa é que o decreto que vai regulamentar o Marco Civil da Internet traga previsibilidade, e estimule a livre concorrência e novos investimentos no setor”, declarou Alexandre Cardoso, diretor do SindiTelebrasil.

Héber Carvalho

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotos: www.flickr.com/photos/ptnacamara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Nota oficial do ex-presidente sobre a Covid

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva retornou nesta quarta-feira (20) ao Brasil após …