Home Portal Notícias Esforço coletivo busca preservar idiomas indígenas brasileiros

Esforço coletivo busca preservar idiomas indígenas brasileiros

8 min read
0

karkaju patax

A Funai, em parceria com o Museu do Índio e a Unesco no Brasil, está desenvolvendo uma ação cujo objetivo é formar pesquisadores indígenas e não indígenas e criar arquivos digitais e centros de documentação em aldeias e museus, a fim de preservar a cultura e manter os idiomas indígenas vivos. Nesta segunda-feira (21), os kits do Programa de Documentação de Língua e Culturas Indígenas foram distribuídos em diversas aldeias.

O material estará disponível para comunidades e escolas indígenas, como fonte de pesquisa e aprendizagem. O trabalho de registro e salvaguarda do patrimônio cultural indígena durou sete anos e envolveu 30 mil indígenas de 35 etnias e 14 estados. Trabalharam no projeto 200 pesquisadores, que fizeram 331 oficinas e produziram 70 mil fotografias digitais, 1,6 mil horas de filmagem e 425 horas de gravações em áudio. O produto final rendeu 32 filmes, 42 publicações, 14 dossiês linguísticos, 30 galerias virtuais e 25 exposições temporárias.

De acordo com a coordenadora do projeto, professora de linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Bruna Franchetto, ainda são faladas no Brasil cerca de 160 línguas indígenas, mas 20% “estão agonizando”, já que não são mais passadas de uma geração para outra.

“Estamos fazendo um enorme trabalho, com se diz no Brasil, de enxugar gelo; continuamos num certo desespero para tentar salvar essas línguas e mantê-las vivas. As línguas são veículos de culturas, de conhecimentos riquíssimos. Então, nós temos essa responsabilidade enorme, que pesa nos ombros, para manter esse patrimônio, que é patrimônio do país e da humanidade”.

Para o ministro da Cultura, Juca Ferreira, o trabalho mostra a força da cultura indígena como parte integrante do Brasil: “Isso desconstrói um pouco uma hierarquia cultural que o Brasil construiu, onde coloca os índios numa invisibilidade ou numa secundariedade. Então, chamar a atenção, dar visibilidade, mostrar a importância, como a sociedade brasileira ganha quando incorpora de forma generosa os índios, eu acho que é muito importante, principalmente nesse momento que nós estamos vivendo”, diz o ministro, referindo-se aos conflitos fundiários no Mato Grosso do Sul.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, ressalta que as línguas indígenas são um patrimônio da humanidade e precisam ser preservadas, em uma luta pelos direitos humanos e pela diversidade: “Neste mundo de globalização e conectividade, estamos cometendo um crime se não nos esforçamos para proteger a diversidade cultural da humanidade criada com a engenhosidade de muitas mulheres e homens”.

Líder da nação kayapó, Akiaboro Kayapó, de Moikaraku, no Pará, considera o projeto importante: “São os próprios índios que estão fazendo [a pesquisa], para nós preservarmos nossa tradição, a língua, essas coisas todas. Um pouco [do material] vai ficar guardado aqui e um pouco vai para as aldeias, para os jovens aprenderem a dança, a língua, como escrever”.

O presidente da Funai, João Pedro Gonçalves da Costa, diz que a ideia é continuar com o trabalho, já que ainda não foram registradas todas as línguas indígenas do país. “Nós consideramos um trabalho estratégico, no sentido de garantir a língua, mas também de reproduzir textos, livros, cartilhas, retratando culturas importantes dos povos indígenas do Brasil. O trabalho precisa ser feito com outros povos, afinal nós temos 305 povos indígenas no Brasil e conseguimos envolver 135 povos ao longo desses sete anos de trabalho, mas nós precisamos avançar”, disse João Pedro.

Do Portal Vermelho, com Agência Brasil

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Nilto Tatto apresenta projeto que amplia exigências para venda de ouro

O deputado federal Nilto Tatto (PT-SP) protocolou nessa terça-feira (20), o projeto de lei…