Home Portal Notícias Berzoini defende novo modelo de telecomunicações com simetria entre teles e novos serviços de internet

Berzoini defende novo modelo de telecomunicações com simetria entre teles e novos serviços de internet

10 min read
0

Berzoini comunicacao

O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, defendeu nesta quarta-feira (18) a atualização do modelo de prestação de serviços de telecomunicações brasileiro. “Precisamos resolver as assimetrias regulatórias e tributárias entre os serviços de telefonia brasileira e os novos serviços de internet – os Over the Top – como Skype, Netflix, You Tube, What’s Up”, argumentou, durante sua participação em audiência pública realizada em parceria pelas comissões permanentes de Defesa do Consumidor e de Ciência e Tecnologia; e pela comissão especial de Telecomunicações.

Ricardo Berzoini explicou que esses novos serviços têm um grande impacto na rede de telefonia e pagam muito pouco por isso. “Eles não geram empregos e usam pesadamente a rede brasileira que é mantida por empresas que geram emprego e investimentos no Brasil”, criticou. “Esse tipo de serviço subtrai empregos do povo brasileiro”, reiterou.

O ministro lembrou ainda que a Lei Geral de Telecomunicações é de 1997, quando a base do sistema era o serviço de voz fixo, porque a telefonia celular e a internet estavam só começando. “Essa ainda é a base do nosso sistema. Mas modelo está se esgotando. Hoje há convergência dos serviços e o telefone fixo não é mais objeto de desejo de ninguém”, ressaltou Berzoni, defendendo que a banda larga deve estar no centro do modelo brasileiro.

O ministro citou números que mostram a estagnação no crescimento da telefonia fixa no País. Em 2015, a telefonia móvel atingiu 283 milhões de acesso. Já a banda larga tem 144 milhões de acessos em 3G e 6,8 milhões em 4G.

Desafios – Como desafio para o setor, o ministro destacou a criação de um fundo de garantia para infraestrutura de telecomunicações em pequenas cidades; a desoneração tributária para serviços na área rural; a simplificação da tributação setorial; e a modernização do marco legal do setor para aplicação dos fundos setoriais, que hoje vêm sendo contingenciados pelo governo.

Ricardo Berzoini reconheceu que ainda existem muitas reclamações em relação ao preço e à qualidade dos serviços do setor. E destacou que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) estabeleceu, no ano passado, o Regulamento Geral dos Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações. Entre as novas regras para atender melhor o usuário, o ministro citou o cancelamento automático do serviço diretamente do menu do call center da operadora, a validade mínima de 30 dias para crédito de telefones pré-pagos e a determinação de que promoções possam valer não apenas para os novos, mas também para os antigos assinantes.

Anatel – O presidente Anatel, João Rezende, também participou dos debates e afirmou que os preços dos serviços de telecomunicações estão subindo, em média, bem abaixo da inflação. E citou como exemplo o valor da assinatura básica de telefonia que teve reajuste de 13% desde 2005, enquanto a inflação acumulada no período foi de cerca de 65%. Ele citou ainda que a Anatel criou aplicativo de celular chamado “Anatel consumidor”, para que o usuário possa fazer reclamações por seu smartphone (celular com internet). “Porém, o consumidor tem que reclamar primeiro na empresa”, explicou.

O deputado Weliton Prado (PT-MG), um dos autores da iniciativa do debate, defendeu o fim do pagamento assinatura básica de telefonia. Ele argumentou que o PL 5476/01, que acaba com esse pagamento, é o mais cobrado pela população por meio do disque Cidadão. O deputado defendeu ainda o fim da cobrança da chamada interurbana para ligações feitas com o mesmo DDD. “É um absurdo você usar o mesmo DDD para falar entre cidades vizinhas e pagar a tarifa com valor de interurbano, não tem justificativa para isso a não ser a sede de lucro das empresas de telefonia”, criticou.

Weliton Prado cobrou ainda que a Anatel fiscalize e exija que as operadoras de telefonia celular não bloqueiem a internet nos acessos móveis após o fim da franquia de dados do contrato. “Em alguns estados como Minas Gerais e São Paulo o jeito foi resolver isso na Justiça, mas entendo que a Anatel tem que garantir a manutenção do acesso, ainda que em velocidade mais baixa em todo o Brasil”, defendeu.

Vânia Rodrigues

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotos: www.flickr.com/photos/ptnacamara

LEIA MAIS : Nova fase do Programa Banda Larga para Todos será lançada em breve, diz ministro

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas destacam aprovação de projeto que amplia número de beneficiados pela tarifa social de energia

A Câmara aprovou nesta quinta-feira (9), o projeto de lei (PL 1106/20), que prevê a inscri…