Home Portal Notícias Em sete meses, Fernando Pimentel fez mais por Minas do que tucanos em 13 anos

Em sete meses, Fernando Pimentel fez mais por Minas do que tucanos em 13 anos

7 min read
0

fernando pimentel

Após anos de abuso midiático, corrupção e nenhuma participação da sociedade no governo de Minas Gerais, causados por longo período de gestão tucana, o atual governador Fernando Pimentel (PT-MG) alterou a forma de governar e, em sete meses, fez mais do que os tucanos em mais de uma década.

Para o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), a oposição deixou uma “herança maldita” para Pimentel que em alguns meses fez muita coisa caminhar.

“Quando o PT assumiu Minas Gerais, nós tínhamos mais de 500 obras paradas, R$ 7,2 bilhões em dívidas e uma desvalorização imensa dos professores. Conseguimos retomar as obras, estamos ajustando as contas do estado e após 35 anos de luta dos educadores mineiros, fizemos um acordo com o sindicato e o governo de Fernando Pimentel vai pagar o piso nacional dos professores”, afirma o deputado.

No dia 15 de maio deste ano, o governador Pimentel garantiu um avanço histórico ao assinar o acordo com os professores da rede estadual.

O reajuste salarial oferecido à categoria custará R$ 4 bilhões às contas do estado, quantia igual, afirma o deputado, ao valor gasto pelo ex-governador Aécio Neves (PSDB) para construir duas cidades administrativas no estado. “A gestão atual valoriza o ser humano, valorizamos o que há de mais nobre na política pública e na educação”, garante.

Durante o acordo, Pimentel falou sobre governar e afirmou ser necessário a criação de um consenso entre a sociedade e o governo. “Nada se constrói sem diálogo, sem a participação e o envolvimento de todos. Esse acordo é o maior exemplo disso. Desde o primeiro dia do mandato iniciamos uma mesa de negociação com os professores, ouvindo suas demandas e suas necessidades”, afirmou.

Ainda nestes sete meses governando o estado mineiro, Pimentel autorizou a retomada de 52 obras que estavam paralisadas desde o ano passado, onde serão investidos R$ 463,5 milhões, beneficiando 56 municípios mineiros.

Herança maldita – O senador Aécio Neves, que governou Minas de 2003 a 2010, tem o nome envolvido em um dos maiores casos de desvio de verba do País. O Ministério Público Federal investiga, desde o dia 25 de junho, o desvio de R$ 14 bilhões do Sistema Único de Saúde (SUS) de Minas Gerais. A investigação busca encontrar o extravio do recurso e saber a localização do dinheiro.

A fraude aconteceu também no mandato de Antonio Anastasia (PSDB), que governou o estado de 2010 a 2014. Os ex-governadores não cumpriram a Emenda Constitucional 29, que obriga o investimento no SUS de pelo menos 12% do PIB estadual.

Segundo relatório da Comissão de Acompanhamento da Execução Orçamentária do Estado (CAEO), as planilhas de gastos da área da saúde, de 2003 e 2011, usadas pelo governo de Aécio e Anastasia, foram incluídos gastos não relacionados ao SUS, como, por exemplo, R$ 530 mil em locação de veículos e R$ 1 milhão em serviços de fiscalização ambiental.

Além de começar a ajustar as contas e as dívidas deixadas pelos tucanos, o atual governo criou 17 fóruns regionais para cumprir com dois grandes compromissos: ouvir para governar e regionalizar para administrar.

O deputado mineiro Reginaldo Lopes afirma que o intuito deste governo é democratizar decisões com a participação popular, criando conselho de gestor nas regiões com a participação de todos os poderes e secretarias trazendo sempre novas ideias a partir da regionalização para execução de obras e estratégias.

Da Agência PT de Notícia

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Renda dos trabalhadores cai 20% e inflação de alimentos aumenta

Completa ausência de medidas da área econômica do governo eleva preços de produtos como ól…