Home Portal Notícias Ministros defendem harmonia na relação com Legislativo

Ministros defendem harmonia na relação com Legislativo

10 min read
0

padilha1

Após a reunião da coordenação política com a presidenta Dilma Rousseff, nesta segunda-feira (20) – a primeira após o anúncio do rompimento político do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha –, os ministros Eliseu Padilha (Aviação Civil), Nelson Barbosa (Planejamento) e Jaques Wagner (Defesa) concederam entrevista coletiva. Segundo os ministros, a reunião fez um balanço das medidas aprovadas no primeiro semestre no Congresso Nacional e a projeção do que será feito no segundo semestre.

“Não foi só de vitórias e sucessos que foi esse primeiro semestre, mas isso é do processo democrático”, avaliou Padilha.

O ministro da Aviação também rebateu as declarações Cunha, que ao anunciar o seu rompimento político com Dilma acusou o governo de ingerência nas ações da Operação Lava Jato, do qual ele é um dos investigados.

“O governo não tem nenhuma influência em ação do Ministério Público e da Polícia Federal na [operação] Lava-Jato”, afirmou Padilha. Segundo ele, a manifestação de Cunha é de percepção pessoal. “A gente tem entendimento diferenciado, mas nem por isso entendemos que ele não pudesse externar”, minimizou ele, afirmando que “o próprio Executivo tem vários membros que são objeto dessa investigação”.

Padilha ressaltou ainda que o Planalto vai “intensificar o processo de harmonização das relações com o presidente Cunha” e “incrementar o processo de articulação”.

“Partindo do pressuposto ou das premissas de qualificação, inteligência e da própria menção do presidente Eduardo Cunha, as relações serão normais entre o poder Legislativo e o Executivo. Nós, do Executivo, faremos tudo o que estiver ao nosso alcance, e o Legislativo também, para que as relações sejam harmoniosas. Agora, isso não significa concordância em 100% daquilo que for objeto de discussão”, disse Padilha.

“Eu penso que as manifestações dele [Cunha] devem ser consideradas pelo meu partido, o PMDB, e pelo governo, mas nós vamos intensificar o processo de harmonização das relações com o presidente Cunha”, completou.

Padilha aproveitou para afastar qualquer rumor de mudanças no núcleo de articulação política do governo e teceu vários elogios ao vice-presidente da República, Michel Temer, principal responsável pelo diálogo entre Palácio do Planalto e Congresso Nacional. “Articulação política é conduzida pelo presidente Temer e, a meu juízo, não temos entre os quadros políticos do governo alguém que reúna mais qualidades do que ele para essa relação com demais poderes. O presidente Temer é uma garantia de que isso caminha bem”.

Os ministros também comentaram o vídeo gravado pelo presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), no qual o peemedebista destacou a atuação do Senado e faz críticas ao ajuste fiscal.

O ministro Jaques Wagner comparou os posicionamentos de Renan com o de Cunha, que se disse oposição. “O registro que tem que ser feito é que a posição do presidente do Senado [Renan] foi de um aliado, colocando pontos de vista e críticas. A posição do presidente da Câmara [Cunha] foi de alguém que se diz fora da base do governo, este é o ponto mais importante”, afirmou o ministro.

“Primeiro, se trata de um aliado. Segundo, as críticas dele [Renan] têm que ser lidas pelo governo como contribuições porque ele aponta pontos específicos, onde o entendimento dele, certamente com a autoridade que tem pela experiência e sucesso político pessoal, aponta caminhos que fazem o governo refletir. […] É absolutamente normal no campo político que um aliado faça críticas, estabeleça posições diferentes, o que deve ser interpretado como contribuições”, salientou Eliseu Padilha.

Questionado pelos jornalistas, Nelson Barbosa disse que ainda não há uma decisão sobre a revisão da meta do superávit primário, que é o dinheiro reservado para pagar juros nas contas do governo depois de pagar as despesas, exceto juros da dívida pública.

A meta fixada é de 1,2% do PIB para este ano. “Estamos reavaliando o cenário. Houve frustração de receitas e isso vai requerer medidas por parte do governo. Nós faremos a reavaliação dos cenários de despesas também e essas avaliações nós só vamos divulgar na quarta-feira [22]”, declarou.

Das agencias

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT cobra da PGR ações contra ministro do Meio Ambiente por omissão no derramamento de petróleo no mar do Nordeste

A Bancada do PT na Câmara protocolou hoje (14), na Procuradoria–Geral da República, repres…