Home Portal Notícias Reforma política: 74% dos brasileiros são contra financiamento empresarial de campanhas eleitorais

Reforma política: 74% dos brasileiros são contra financiamento empresarial de campanhas eleitorais

7 min read
0

Reforma Politica GUSTAVO LIMA CD

O plenário da Câmara deve votar nesta semana o segundo turno da proposta de reforma política (PEC 182/07), já aprovada em primeiro turno no mês de junho. Entre os principais temas que devem ser novamente votados, está a constitucionalização do financiamento empresarial de campanha.

Aprovada em primeiro turno no plenário, a contribuição de empresas a partidos políticos é rejeitada por grande parte da população brasileira. Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, por encomenda da OAB, e divulgada por vários órgãos de imprensa no domingo (5), aponta que 74% dos brasileiros são contra o financiamento empresarial de campanhas eleitorais. No mesmo levantamento, 79% dos brasileiros acreditam que as doações empresariais estimulam a corrupção.

Para o deputado Rubens Otoni (PT-GO), vice-presidente da última comissão especial que debateu a reforma política na Câmara, a antipatia da população em relação à proposta de financiamento aprovada pela Câmara em primeiro turno deveria ser levada em consideração na votação dessa semana.

“Essa pesquisa demonstra que a proposta defendida pelo PT, de acabar com o financiamento empresarial, está de acordo com os anseios da sociedade brasileira”, afirmou.

O parlamentar destacou ainda que a sociedade já percebeu que a participação das empresas no processo eleitoral “é maléfica ao processo político e à própria democracia“. “Espero que essa pesquisa sirva de reflexão aos parlamentares na hora de votar a constitucionalização das contribuições empresariais”, ressaltou Otoni.

Outros temas da reforma política aprovados em primeiro turno também deverão ser novamente votados nesta semana. Entre eles, o fim da reeleição, cinco anos de mandato para os ocupantes de todos os cargos eletivos, mudança na data de posse de governadores e presidente da República e acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de rádio e TV apenas para legendas com pelo menos um deputado eleito.

Histórico – O financiamento empresarial a partidos políticos foi aprovado por 330 votos a favor e 141 contra, na noite do dia 27 de maio (quarta-feira), após uma manobra regimental executada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Um dia antes (26), o plenário havia rejeitado proposta semelhante que incluía na Constituição as “doações” de empresas a candidatos e partidos. O PT, PC do B e o PSol afirmaram que havia um acordo com outras legendas para que não fossem votadas outras propostas sobre financiamento. O próprio presidente da Câmara anunciou no plenário antes da votação que outras propostas estariam “prejudicadas”, ou seja, não seriam votadas no plenário.

Apesar do compromisso assumido, Eduardo Cunha voltou atrás e decidiu recolocar o tema em votação. A manobra foi viabilizada após a apresentação de uma emenda aglutinativa apresentada pelo deputado Celso Russomano (PRB-SP). A proposta autorizava a contribuição de empresas apenas a partidos políticos, excluindo os candidatos.

STF – O financiamento empresarial destinado a campanhas eleitorais também é alvo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI- 4650) no Supremo Tribunal Federal (STF), de autoria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Héber Carvalho

Foto: Gustavo Lima/CD

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…