Home Portal Notícias Brasil deve escolher entre maior ou menor participação do Estado no Sistema Nacional do Esporte

Brasil deve escolher entre maior ou menor participação do Estado no Sistema Nacional do Esporte

8 min read
0
ESporte LuizMacedo
 
Entre os principais sistemas esportivos existentes no mundo, o Brasil tem a opção de adotar como exemplo um modelo com maior ou menor participação do Estado na aplicação de recursos e no planejamento das ações no setor, ou mais aberto ou fechado à participação da iniciativa privada no setor esportivo. Essas foram às características básicas dos sistemas apresentados nesta terça-feira (23), na Câmara, pelos debatedores que participaram do seminário sobre construção do Sistema Nacional do Esporte. 
 
Foram apresentados durante o debate os modelos esportivos da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra e Rússia. O documento final da III Conferência Nacional do Esporte, realizada em 2010, sugere a apresentação de um projeto de lei para criação do novo Sistema Nacional do Esporte. 
 
Conheça algumas particularidades dos modelos esportivos apresentados:
 
Alemanha- O professor da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), Valter Bracht, explicou que na Alemanha o esporte é dividido entre alto rendimento e o esporte mais amplo. O governo alemão prioriza o investimento no esporte de alto rendimento, mas é tradição a existência das associações esportivas espalhadas por todo o país. 
 
“Existem mais de 91 mil unidades, inclusive nas pequenas comunidades”, explicou. Segundo Bracht, “mais de 50% da população alemã pratica atividade física regularmente”.  
 
Canadá- O professor Gonzalo Bravo, da West Virgínia University (EUA), afirmou que o Canadá também aumentou, nos últimos anos, o investimento no esporte de alto rendimento. Ele informou que em 2003 foram aplicados US$ 73,1 milhões, enquanto em 2013 o montante chegou a US$ 197,7 milhões. 
 
“Talvez por isso o número de medalhas olímpicas cresceu, enquanto o número de atletas caiu’, destacou Bravo. Ainda assim ele disse que “muitas escolas do Canadá adotam carga horária diferenciada para incentivar os alunos atletas”. 
 
Estados Unidos- O mesmo especialista adiantou que o modelo estadunidense é distinto do restante do mundo, e que não se adaptaria ao
 
Brasil. “É um modelo excludente, que beneficia apenas os melhores atletas, e baseado apenas no resultado e no espetáculo”, afirmou Gonzalo Bravo. 
 
Ele disse ainda que apesar dos enormes investimentos privados em esportes com grande potencial de lucro (basquete, beisebol, futebol americano), a realidade dos esportes olímpicos é outra. “Metade da equipe do nado sincronizado que foi às Olimpíadas de Londres-2012, garantiu a ida vendendo cartelas de bingo, tortas e recebendo doações”, revelou.   
 
Inglaterra- Em relação à Inglaterra, o professor Gonzalo Bravo destacou que a participação do governo no financiamento do esporte tem sido fundamental para a obtenção de grande resultados. “O 3º lugar obtido no quadro geral de medalhas nas olimpíadas de Londres em 2012, por exemplo, é resultado do aumento do financiamento ao esporte de alto rendimento”, disse o especialista. 
 
Rússia- Ao destacar que desde a época da União Soviética é dever do Estado fomentar, criar e manter estrutura física para a prática do esporte, o professor da Universidade do Paraná (UFPR), Antônio Carlos Gomes, disse que na atual Rússia o esporte ainda é prioridade para o governo. O professor paranaense viveu por 12 anos na Rússia (1985-1997).     
 
“O Estado estimula as pessoas a praticarem atividade física. E começa com a oportunidade da cultura da atividade física nas empresas e espaços comunitários, até a identificação e investimento em possíveis atletas de ponta”, ressaltou. 
 
Os deputados Andrés Sanchez (PT-SP) e Weliton Prado (MG) compareceram ao seminário.
 
Héber Carvalho 
Foto: Luiz Macedo/Agência Câmara
Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

João Daniel denuncia que regularização fundiária proposta por Bolsonaro acentua injustiça agrária

A preocupação com a medida provisória (MP 910/19), editada esta semana pelo governo federa…