Home Portal Notícias Lava-Jato: Para Sibá Machado “processo de delação premiada está por um fio”

Lava-Jato: Para Sibá Machado “processo de delação premiada está por um fio”

6 min read
0
siba comissao gushta
Foto: Gustavo Bezerra
 
O líder da bancada do PT, deputado Sibá Machado (PT-AC), alertou hoje (12) para o risco que corre o instituto da delação premiada, à medida que não se mostram provas que corroborem as versões apresentadas por réus confessos, como os da Operação Lava-Jato, que investiga desvios de recursos da Petrobras. “O processo de delação premiada está por um fio”, disse o líder. 
 
A afirmação foi feita durante sessão da CPI da Petrobras em que se ouviu o depoimento espontâneo do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um dos nomes citados na petição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), para abertura de investigação. A petição baseia-se  nos depoimentos  de delatores da Lava-Jato; Eduardo Cunha alega que não há elementos que sustentem a inclusão do seu nome na lista de investigados.
 
Sibá alertou que tanto para o caso de Cunha como de outros políticos, as denúncias feitas pelos criminosos deviam ser embasadas em documentos. “São pessoas condenadas pela Justiça e que já confessaram que roubaram ou que têm dinheiro a devolver aos cofres públicos.
 
Então, vale a palavra dessa pessoa? É só a palavra e mais nada?”, questionou Sibá. 
Sibá disse ficar constrangido quando determinada situação é tratada como um campeonato de quem fez mais ou de quem fez menos.
 
“Esperamos separar as disputas políticas dos fatos concretos”. Ele frisou que o fato de haver abertura de uma investigação não significa que haja  culpabilidade.  Para o líder, a fim de se evitar manchar a honras das pessoas, é preciso apresentar provas que deem materialidade às denúncias. 
 
Tratamento – O relator da CPI, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), ao falar na sessão, avaliou que “as histórias são longas e contraditórias e a delação premiada deixa muito claro que não basta a versão, é preciso o fato, a materialidade, para que se comprove o que se está falando.” 
 
Para o relator, do ponto de vista jurídico, a abertura de inquérito não representa condenação, mas do ponto de vista político, a inclusão do nome na lista representa julgamento, mesmo que não esteja associada ao processo judicial. “Muitos relacionados são inocentes e irão provar isso no andamento do processo.”
 
O relator criticou a forma de tratamento dada aos delatores. Ele lembrou que os delatores são criminosos confessos e, assim, devem ser vistos pela Justiça e pela sociedade brasileira.  “Não podem ser tratados como mocinhos ou como heróis. São todos criminosos que roubaram a Nação brasileira e, por isso, precisam ser punidos ”, disse Luiz Sérgio.
 
Equipe PT na Câmara
Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…