Home Portal Notícias Retirada do nome de Aécio da lista de Janot reabre debate sobre lista de Furnas

Retirada do nome de Aécio da lista de Janot reabre debate sobre lista de Furnas

8 min read
0
tucanocorrupcao
 
Ao livrar o ex-candidato à Presidência da República, presidente do PSDB e senador Aécio Neves (PSDB-MG) do inquérito da Operação Lava Jato da Polícia Federal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, involuntariamente, reabriu o debate sobre a lista de Furnas – esquema de desvio de verbas da estatal para abastecer as eleições de 2002.  
 
Na segunda-feira (9), o deputado Padre João (PT-MG) protocolou na Procuradoria Geral da República (PGR), solicitação de audiência para tratar desse esquema que envolve, entre outros, o senador tucano e o PSDB. 
 
“Solicitamos a audiência com o Rodrigo Janot para que possamos destacar a ele que a PGR não pode repetir um comportamento do passado quando o então procurador, Geraldo Brindeiro, era conhecido pelos corredores e ruas do país como “engavetador geral da República”, lembrou Padre João. O petista entende que essa instituição “tem que levar em consideração as denúncias e tomar as iniciativas devidas”.
 
Nesse sentido, explica, “ainda está em tempo de retomar a questão da lista de Furnas”.
 
Para o deputado, a retomada desse tema, neste momento, é urgente em face à afirmação feita pelo doleiro Alberto Yousseff, em delação premiada à Justiça Federal, que disse que Aécio Neves, na época em que exercia o mandato de deputado federal, recebia recursos desviados de Furnas. 
 
De acordo com o Padre João, a PGR não pode adotar as premissas de uma CPI, como a da Petrobras, que se detém a um fato determinado. Para ele, Rodrigo Janot, além de considerar a fala de Yousseff, deveria se ater à lista de Furnas que sustenta a delação feita pelo doleiro. 
 
O deputado contou que à época da divulgação da Lista de Furnas foi solicitada uma perícia que comprovasse a sua autenticidade e, segundo ele, a lista apresentado pelo lobista Nilton Monteiro foi legitimada pelo Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal. A lista revela o nome de 156 políticos que teriam recebido dinheiro público através do esquema. 
 
“Assim sendo, porque parte de uma fala (Yousseff) leva o procurador  a abrir um inquérito? Por que sobre um documento autêntico (lista de Furnas) ele não se dispõe a abrir o inquérito? É um equívoco. Ainda estamos em tempo de rever isso”, acredita Padre João.
 
Denúncia – Em fevereiro de 2014, o deputado federal Padre João e os deputados estaduais Rogério Corrêa, Pompílio Canavez e Adelmo Leão protocolaram na PGR pedido para que a procuradoria analisasse a lista de Furnas, conforme denúncia feita pela procuradora Andrea Bayão, em janeiro de 2012. À época o procurador-geral da República era Roberto Gurgel.
 
Pesos e medidas – Para o parlamentar petista, ao agir dessa forma, a PGR mostra que age sem equivalência, adotando pesos e medidas para casos que, na avaliação dele,  deveriam ser tratados com equidade.  Segundo ele, a ação da procuradoria tem viés partidário. 
 
“A coisa está muito mais para partidarização do que apuração dos fatos. Isto põe em xeque a credibilidade de qualquer instituição. A justiça tem que se fazer valer no sentido amplo e, o mesmo critério adotado para um deve ser aplicado para outro que tem similaridade”, defendeu o deputado mineiro. 
 
O deputado Padre João recorreu ainda ao exemplo do julgamento do “mensalão tucano mineiro”, favorecido pela Justiça. “Esse passado próximo abre brechas para a impunidade”. 
 
Benildes Rodrigues
Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Brumadinho completa 1 ano sem penalizar os responsáveis pelo crime

A tragédia criminosa da queda da barragem em Brumadinho (MG) completa um ano neste sábado …