Home Portal Notícias Destinação dos royalties de energia gerada por recursos hídricos precisa ser otimizado, defende Ferro

Destinação dos royalties de energia gerada por recursos hídricos precisa ser otimizado, defende Ferro

5 min read
0
itaipu
Foto: itaipu.gov.br
 
A utilização de recursos hídricos para produção de energia elétrica gerou, em 2014, mais de R$ 2,2 bilhões em compensações e royalties para municípios, estados e União, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Essa arrecadação inclui compensação financeira devida pela terceira maior hidrelétrica do planeta, a Usina de Itaipu Binacional.
 
Do valor arrecadado, cerca de 73%, ou R$ 1,6 bilhão, foram a título de compensação financeira pela utilização de recursos hídricos (CFURH); e, R$ 589,6 milhões, em pagamento de royalties, num procedimento semelhante ao que ocorre com a produção de petróleo, para recompensar cidades e estados onde de onde é extraído óleo cru.
 
Um total de 101 empresas, que controlam 183 usinas hidrelétricas e 193 reservatórios, geraram essa receita para as cidades nas quais exploram a atividade de geração por meio do acúmulo de água em barragens. Todo o procedimento de arrecadação e distribuição é executado pela Aneel.
 
Para o deputado Fernando Ferro (PT-PE), especialista na área de energia, os recursos são justos porque a implantação de hidrelétricas causa impactos socioambientais locais. Entretanto, o parlamentar acredita que é necessário destinar melhor esse tipo de recurso, a exemplo do que se fez com os royalties do pré-sal, que vão financiar a educação e a saúde. “Seria importante discutir melhor sobre como otimizar a utilização desses recursos, que poderiam ser destinados às questões ambientais, como, por exemplo, a preservação dos recursos hídricos, bem como à área social, contribuindo para o efetivo desenvolvimento local”, explica Ferro.
 
“Infelizmente estes recursos, na maioria das vezes, entram para o caixa único das prefeituras e não há prestação de contas sobre a sua destinação. Em alguns casos, são arrecadações altíssimas que poderiam ter uma destinação mais específica”, complementa o deputado pernambucano.
 
A distribuição dos recursos atende principalmente municípios e estados que retêm, respectivamente, 45% do total arrecadado para aplicar em programas e políticas públicas de saúde, educação e segurança. A única alternativa para a utilização das verbas é o pagamento de dívidas, desde que o credor seja a União. Nem mesmo folha de pagamento do funcionalismo tem autorização para usar os recursos compensatórios.
 
Os 10% restantes das receitas se destinam à União, para distribuição à Agência Nacional de Águas (ANA), ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e aos ministérios do Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Amazônia Legal (MMA) e Minas e Energia (MME).
 
Rogério Tomaz Jr. com Agência PT
 
Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Frei Anastácio denuncia a liberação de mais 32 novos agrotóxicos

O deputado federal Frei Anastácio (PT-PB) alertou que Bolsonaro já começou o ano com a lib…