Home Portal Notícias Artigos Luiz Alberto defende compra de Pasadena e rebate distorções disseminadas pela oposição

Luiz Alberto defende compra de Pasadena e rebate distorções disseminadas pela oposição

8 min read
0
luizalbertotribuna
Foto: Gustavo Bezerra
 
O deputado Luiz Alberto (PT-BA) rebateu hoje (1º) as críticas que têm sido veiculadas pela mídia tradicional à compra, pela Petrobras, da refinaria de Pasadena, nos EUA. Em artigo publicado no jornal O Globo,  afirmou que as distorções sobre a operação, disseminadas pela  oposição e os inúmeros “especialistas” em petróleo que surgiram ultimamente,  “têm o claro objetivo de enfraquecer a Petrobras e seu papel estratégico, tratando a operação como se fosse o pior negócio do mundo”. 
 
“A oposição PSDB/DEM, com sua mídia de apoio, tenta confundir a sociedade brasileira. Quer manchar a imagem da empresa e depreciar seu valor de mercado para favorecer grupos estrangeiros de olho no pré-sal e contrários ao regime de partilha, que resguarda os interesses nacionais”,  escreveu Luiz Alberto.
 
O parlamentar frisou que a compra da refinaria fazia parte dos planos estratégicos da estatal desde 1999 (governo do PSDB) e foi fechada em 2005. Luiz Alberto disse que ninguém teve o “poder dos oráculos” para antever a crise econômica de 2008, prejudicando  a Petrobras e outras empresas que investiram nos EUA. Ressalvou, porém, que  desde o ano passado, com o reaquecimento da economia norte-americana, Pasadena passou a ter valorizados os seus ativos e , atualmente, é bastante lucrativa. “É uma questão de tempo reaver o que foi investido”, disse. 
 
Leia o artigo, na íntegra:
“Compra vantajosa 
 
Surgiram agora no Brasil inúmeros “especialistas” na área de petróleo, sob inspiração de uma oposição que busca enfraquecer a Petrobras e seu papel estratégico, com claros objetivos políticos, eleitorais e ideológicos. Fala-se sobre a compra da Refinaria de Pasadena (EUA), pela Petrobras, como se fosse o pior negócio do mundo. Omite-se que a operação fazia parte dos planos estratégicos da estatal desde 99, visando a investir em refino no exterior para lucrar com a venda de derivados de petróleo, sobretudo nos EUA. Visava também a utilizar o petróleo brasileiro do campo de Marlim, em crescente produção na época.
 
Sem o poder dos oráculos, para antever em 2008 o início da maior crise do capitalismo mundial desde 1929, o Conselho de Administração da empresa aprovou a compra, extremamente vantajosa, em 2005. As condições objetivas ditaram o negócio. Porém, desde o ano passado, com o reaquecimento da economia dos EUA, Pasadena passou a ter valorizados os seus ativos. É hoje muito lucrativa. É uma questão de tempo reaver o que foi investido.
 
A oposição PSDB/DEM, com sua mídia de apoio, tenta confundir a sociedade brasileira. Quer manchar a imagem da empresa e depreciar seu valor de mercado, para favorecer grupos estrangeiros de olho no pré-sal e contrários ao regime de partilha, que resguarda os interesses nacionais. Essa oposição, quando foi governo, conseguiu afundar a plataforma P-36, com prejuízos ao país de mais de US$ 2 bilhões, sem falar dos lucros cessantes; e, em 2000, privatizou a Refinaria Alberto Pasqualini por meio de troca de ativos com a Repsol argentina, do grupo Santander. Nessa transação, a Petrobras “deu” ativos de US$ 2 bilhões e recebeu ativos de US$ 170 milhões.
 
Lembremos: em 1994, o então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, manipulou a estrutura de preços dos derivados de petróleo — a Petrobras teve aumentos de combustíveis 8% abaixo da inflação, e as distribuidoras tiveram aumentos 32% acima. Transferiram-se da Petrobras para o cartel das distribuidoras cerca de US$ 3 bilhões anuais, totalizando hoje mais de US$ 50 bilhões. Os números da era FH desmoralizam a oposição e os ataques atuais à estatal.
 
Mentira já desfeita é de que a Astra comprou a refinaria por US$ 42,5 milhões e a revendeu à Petrobras por US$ 1,2 bilhão. Os números são outros, conforme mostram Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras, e a atual presidente, Graça Foster: a Astra desembolsou US$ 360 milhões antes de revender por US$ 554 milhões, dentro das condições de mercado de 2006. Pasadena foi adquirida a uma média inferior à de outras transações da época.
 
Comparada com outras refinarias vendidas na época, seus valores, mesmo depois dos conflitos judiciais, ficam em linha com outras operações do mercado.
Luiz Alberto (PT-BA)”
 
Artigo publicado originalmente no jornal o Globo, edição do dia 1º de dezembro de 2014
 
Equipe PT na Câmara
 
Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…