Home Portal Notícias Congresso pode votar projeto que garante equilíbrio fiscal do País com crescimento econômico e social

Congresso pode votar projeto que garante equilíbrio fiscal do País com crescimento econômico e social

8 min read
0

fontana-vicentinho-pimenta

O Congresso Nacional vai realizar sessão nesta quarta-feira, às 12h, para apreciar o projeto (PLN 36/14), do Executivo, que altera a meta de resultado primário deste ano, permitindo ao governo abater do superávit todos os investimentos realizados com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e com as desonerações de tributos concedidas ao longo deste ano. O líder do governo na Câmara, deputado Henrique Fontana (PT-RS), reforçou a importância da aprovação do ajuste fiscal. “O nosso governo, com essa flexibilização, está priorizando o equilíbrio fiscal juntamente com o equilíbrio do crescimento econômico e social”.

O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), informou que a bancada petista votará, em peso, na aprovação do ajuste fiscal. “A proposta do governo não traz nenhum prejuízo para os brasileiros. É uma flexibilização que não reduz recursos para investimentos ou para programas sociais importantes do País como o Minha Casa, Minha Vida”, afirmou. Vicentinho destacou ainda a ampliação para setores como a Educação, que teve o seu orçamento reforçado em 50%.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), relator do Comitê de Receitas do Orçamento de 2015, alertou para a importância de a base aliada estar unida para a aprovação do projeto. “ O ajuste fiscal é fundamental para a manutenção da política econômica que saiu vitoriosa das urnas, com a reeleição da presidenta Dilma. Uma política que enfrenta a crise financeira internacional ampliando investimentos em infraestrutura, que desonera vários setores da nossa economia para manter o nível de emprego e a distribuição de renda”, afirmou.

Paulo Pimenta criticou a oposição que tem utilizado de todos os tipos de obstrução e protelamento na apreciação do projeto. “O embate tem ocorrido desde o momento em que a proposta de ajuste chegou a essa Casa. A oposição, irresponsavelmente, joga contra a decisão e a escolha da maioria dos brasileiros. Ela perdeu nas urnas e quer um terceiro turno, quer nos impor o seu modelo econômico, que é um modelo ultrapassado, com recessão, corte de gastos e desemprego”.

O PLN 36 poderia ser apreciado na sessão do Congresso desta terça-feira mas a oposição prolongou os debates sobre a apreciação de vetos presidenciais, inviabilizando a inclusão do projeto na pauta.  

Entenda o superávit primário e a mudança proposta pelo governo Dilma

O governo Dilma vai ganhar grande flexibilidade para administrar a meta de superávit primário (economia que o governo faz para pagar sua dívida do setor público), com a aprovação do PLN 36. O texto proposto pelo governo e aprovado pela Comissão Mista de Orçamento na noite de segunda-feira (24) acaba com o limite fixo de R$ 67 bilhões para o abatimento das desonerações tributárias e dos investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) definidas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano.

Com isso, o governo poderá abater da meta todo o volume de investimentos do PAC e de desonerações que for feito até o final deste ano. Na prática, portanto, o projeto elimina a meta fiscal.

O superávit primário é importante porque ele é um indicador de que o governo é bom ou mau pagador da dívida (que existe na forma de títulos públicos).  Se é bom pagador, os credores nacionais e internacionais concordam em emprestar (na forma de investimentos), recebendo juros mais baixos. Se é mau pagador, o juro fica mais caro.

A meta de superávit primário é fixada pelo governo, a cada ano, na elaboração LDO. Neste ano, a meta foi fixada em R$ 167,4 bilhões para o setor público (União, estados e municípios), sendo R$ 116,1 bilhões para o governo federal, que inclui apenas resultado de Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência.

A LDO fixa também o montante que poderá ser descontado do superávit, caso haja necessidade. Para este ano o abatimento já autorizado somava R$ 67 bilhões.  O que o governo propõe no PLN 36 é a uma flexibilidade neste desconto, uma vez que a crise mundial enfraqueceu o crescimento econômico do Brasil, e, consequentemente, as receitas ficaram abaixo do esperado.

Vânia Rodrigues, com informações do Diário do Centro do Mundo

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…