Home Portal Notícias CPMI faz reunião aberta, delator não fala e oposição fica sem palco eleitoral

CPMI faz reunião aberta, delator não fala e oposição fica sem palco eleitoral

6 min read
0

vicente17092014

A oposição saiu frustrada da reunião, nesta quarta-feira (17), da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga a compra da refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras. Não vingou a tentativa de fazer uma reunião secreta da CPMI para ouvir Paulo Roberto Costa, ex-diretor da empresa, o que permitiria a produção e circulação, via imprensa, de versões convenientes aos interesses eleitoreiros de parlamentares da oposição. Por dez votos contra oito, a reunião se manteve aberta.

A bancada do PT defendeu a reunião aberta, para que a transparência prevalecesse e a sociedade pudesse acompanhar toda a sessão da CPMI. “Nós queremos a verdade em todas as circunstâncias. Queremos que se investigue tudo e se apure tudo. Queremos que sejam punidos todos os culpados, doa a quem doer. Esta é a posição da nossa bancada, esta é a posição do ex-presidente Lula e esta é a posição da presidenta Dilma”, explicou o líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP).

O líder petista lamentou o silêncio do depoente. “Ao não falar, continua o espetáculo, continua a postura enganadora e mentirosa. Vai continuar a terra arrasada com o apoio da grande mídia, que não fala mais da corrupção do PSDB lá em São Paulo, o caso grave [do metrô] envolvendo três governadores, que não fala mais do helicóptero carregado de drogas (em Minas Gerais) e de aeroportos feitos na fazenda de parentes. A oposição tem uma grande aliada, mais forte que a própria oposição, que é a grande mídia”, criticou Vicentinho.

Vicentinho também criticou os “urubus do capitalismo internacional” que se beneficiam com o enfraquecimento da Petrobras, por um noticiário negativo insuflado por denúncias como as que se atribuem a Paulo Roberto Costa sobre um suposto esquema de desvios de recursos na estatal. “Quiseram, no passado, privatizar o petróleo. Quiseram privatizar a Petrobras. Inclusive no governo do PSDB até a chamavam de Petrobrax. O que existe por trás é o interesse em desconstruir uma empresa que nós queremos tão bem. E desconstruindo, ela vai para o capital privado. O que está por trás é um jogo muito mais grave e precisamos refletir sobre isso”, argumentou o líder.

Para a deputada Iriny Lopes (PT-ES), a CPMI acertou ao fazer a reunião aberta, não fecha, como queria a oposição. “Não gosto de trabalhar com versões, acho que o Brasil merece que os fatos sejam relatados e comprovados. Uma reunião fechada só serviria para a construção de versões. Acho que isso não serve à democracia do Brasil”, disse .

“Há uma distinção fundamental entre vazamento e depoimento aberto. O vazamento vem ocorrendo. Ele serve à disputa política eleitoral. É feito de forma seletiva. O PT quer investigar e quer esclarecer”, afirmou o deputado Afonso Florence (PT-BA), ao defender a manutenção da reunião aberta.

Usando uma prerrogativa constitucional, o ex-funcionário da Petrobras manteve-se em silêncio diante de todos os questionamentos do relator, deputado Marco Maia (PT-RS), e dos demais integrantes da CPMI. Paulo Roberto Costa, demitido da Petrobras em 2012, tem feito depoimentos à Justiça, em caráter de delação premiada, sobre supostos desvios de recursos na estatal. Os documentos que registram esses depoimentos já foram solicitados pela CPMI. Segundo alguns veículos da imprensa, vários parlamentares e governadores teriam sido mencionados pelo ex-diretor da estatal.

Uma nova reunião da CPMI ocorrerá na próxima semana.

Rogério Tomaz Jr.

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…