Home Portal Notícias Vaccarezza desmente revista Veja em relação a suposta lista de Paulo Roberto Costa

Vaccarezza desmente revista Veja em relação a suposta lista de Paulo Roberto Costa

6 min read
0

VACCAREZZA

O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) divulgou, nesta quarta-feira (10), nota na qual desmente a revista Veja, que o menciona como integrante da suposta lista de parlamentares denunciados pelo ex-diretor da Petrobras como beneficiários de um esquema de corrupção nos contratos da companhia. “Nego peremptoriamente ter recebido recursos do Sr. Paulo Roberto Costa”, diz o texto assinado por Vaccarezza.

O deputado afirma ainda que “definitivamente” não faz parte “de esquema de pagamentos de propinas envolvendo a Petrobras ou qualquer outra empresa”.

Vaccarezza questiona a inexistência de fonte na reportagem e diz que Veja “tem claro e manifesto interesse em interferir no resultado” das eleições. Confira abaixo a nota na íntegra.

Assessoria Parlamentar

NOTA À IMPRENSA

Sobre a matéria veiculada no final de semana pela revista Veja e reproduzida por parte da imprensa envolvendo o meu nome, gostaria de pedir que fosse registrada e dada publicidade à minha defesa:

1 – Nego peremptoriamente ter recebido recursos do Sr. Paulo Roberto Costa e definitivamente não faço parte de esquema de pagamentos de propinas envolvendo a Petrobras ou qualquer outra empresa;

2 – A notícia não cita a(s) fonte(s) de um vazamento que, além de ilegal, é feito, declaradamente, de forma seletiva, já que, entre dezenas de deputados que teriam sido envolvidos, o meu nome foi destacado;

3 – Há duas semanas, infelizmente a revista Veja já havia enveredado por acusações semelhantes com base em depoimento da contadora Meire Poza à Polícia Federal. A notícia foi desmentida logo depois pela própria fonte da revista. Ao falar sob juramento na Câmara dos Deputados, a sra. Poza disse que “a revista exagerou quando diz, dessas operações, que eram direcionadas, o fundo era direcionado ao PT, isso não é verdade”. E a Sra. Poza disse mais: “um ponto que não ficou claro na revista é quando cita o deputado Vaccarezza e diz que o assessor do deputado me procurou – isso é fato, me procurou sim. Mas não para direcionar uma operação para o fundo que já era do Beto. Isso não foi assim que aconteceu, é um pouco diferente. (…) o assessor procurou para fazer um investimento, mas não foi neste fundo. Na verdade este fundo não existia ainda. Não houve uma procura direta do assessor do deputado para dizer ‘olha eu quero fazer negócio com Alberto Yousseff’, não, nunca houve isso.”

Apesar da exposição injusta, até o momento não foi feito qualquer reparo que desagravasse a acusação na imprensa. Nenhum esclarecimento e muito menos retratação;

4 – Uma denúncia dessa gravidade não pode ficar assombrando pessoas sem base acusatória, sem citação de fontes ou provas documentais, muito menos às vésperas de eleições que, a fonte de divulgação da denúncia, tem claro e manifesto interesse em interferir no resultado.

Dep. Cândido Vaccarezza (PT-SP)

Ouça o Deputado Cândido Vaccarezza na Rádio PT

” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]” bg=”dd1a22″ leftbg=”dd1a22″ lefticon=”294781″ track=”ff1b2c” tracker=”ffff00″ text=”000000″ righticon=”294781″ width=”300″ rightbg=”408080″ volslider=”ffffff” skip=”ffffff”]

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…