Home Portal Notícias Pimentel diz que não produziu gabarito e perguntas eram públicas

Pimentel diz que não produziu gabarito e perguntas eram públicas

7 min read
0
pimentelsenado
Foto: Moreira Mariz/Agência Senado
 
O relator da CPI da Petrobras, senador José Pimentel (PT-CE), discursou no Plenário do Senado nesta terça-feira (5), para esclarecer as denúncias publicadas pela revista Veja, no final de semana. A revista levanta suspeita sobre o funcionamento da CPI no Senado e o papel do relator. O senador afirmou que nunca se reuniu com qualquer depoente e que não orientou o depoimento de nenhum dos investigados.
 
O senador mencionou o termo “gabarito” pronunciado no vídeo editado por Veja. Ele informou que a assessoria da CPI jamais produziu qualquer questionamento com sua respectiva resposta. “Chegamos a produzir até 130 perguntas por depoente. Mas nunca o fizemos acompanhado por respostas”, ressaltou. Pimentel disse que considera leviana e irresponsável qualquer afirmação ou insinuação nesse sentido.
 
Pimentel esclareceu que o plano de trabalho da CPI, aprovado por unanimidade, já continha uma relação prévia de perguntas a serem dirigidas aos depoentes. Ele destacou que, na elaboração de novas questões, deu preferência a perguntas formuladas pela oposição em audiências públicas realizadas anteriormente pela Câmara e o Senado. O ex-presidente Sérgio Gabrielli, a presidenta Graça Foster e o diretor de Área Internacional, Nestor Cerveró, já haviam participado de audiências públicas no Congresso.
 
“Se a oposição, que pediu a CPI, estivesse efetivamente participando das reuniões da comissão, poderia fazer novas perguntas e questionar os depoentes à sua maneira”, disse Pimentel.
 
O relator da CPI informou ainda que já tomou providências para esclarecer os fatos denunciados pela revista Veja. Pimentel protocolou, na segunda-feira (4), dois requerimentos na CPI da Petrobras do Senado. O primeiro documento solicita ao presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), a instalação de procedimento de apuração para esclarecer os fatos e, se necessário, atribuir responsabilidades.
 
No segundo requerimento, o senador pede que o presidente da comissão solicite à revista Veja cópia da íntegra do vídeo que deu origem à matéria, sob o compromisso de preservação do sigilo.
 
Apartes – Durante o pronunciamento de mais de uma hora, Pimentel foi aparteado diversas vezes por parlamentares. O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE), argumentou  que, se houvesse qualquer favorecimento na comissão exclusiva do Senado, haveria diferenças entre as conclusões das investigações da CPI do Senado e da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito. “Me digam: em que essa CPMI, que já ouviu diversos depoentes também já inquiridos pela CPI, avançou mais do que a Comissão do Senado? Em que os parlamentares da oposição – que se julgam tão brilhantes e definidores no papel de inquiridores – fizeram andar mais a investigação na Comissão Mista em relação à Comissão do Senado?- Eu respondo: em nada”, considerou.
 
O líder enfatizou que as duas estão “rigorosamente no mesmo ponto” o que, segundo ele, comprova que a CPI do Senado não operou qualquer tipo de beneficiamento a quem quer que seja.
Para a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), “a mesma veemência com que  a oposição se dedica a questionar os trabalhos de parlamentares e assessores que tentam esclarecer as denúncias sobre supostas irregularidades na Petrobras deveria ser utilizada para garantir investigações de denúncias que envolvem governos tucanos e que não chegam a ser esclarecidas”.
 
Segundo Gleisi, a matéria publicada nesta semana pela revista Veja apenas serve como “cortina de fumaça” para encobrir fatos muito mais graves, como as denúncias de desvios e ilegalidades nas obras do metrô de São Paulo e, mais recentemente,  a utilização de verbas públicas para a construção e restauração de um aeroporto na cidade de Cláudio, em Minas Gerais.
 
Coordenação de Comunicação do senador José Pimentel
Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…