Home Portal Notícias Nova lei de mídia do México pode ser referência para Brasil, diz Emiliano José

Nova lei de mídia do México pode ser referência para Brasil, diz Emiliano José

13 min read
0

emilianojose

O deputado Emiliano José (PT-BA) elogiou, nesta sexta-feira (11), o projeto para a nova regulamentação de mídia e telecomunicações do México, aprovado pelo Parlamento e submetido a sanção do presidente Enrique Peña Nieto. Na opinião de Emiliano, a nova lei – confira os destaques abaixo – faz parte de “um movimento que se alastra pela América e pelo mundo” com o objetivo de reduzir a concentração dos meios de comunicação nas mãos de poucos grupos empresariais.

“Essa nova regulamentação do México possui vários aspectos importantes e, no seu conjunto, vai na linha de democratizar a mídia, de ampliar as possibilidades de a sociedade ter voz nos meios de comunicação. Ela segue o caminho das medidas que foram adotadas recentemente na Argentina, no Equador, no Uruguai e também na Inglaterra e certamente pode ser uma referência para o que poderemos fazer no Brasil”, disse o deputado.

Entre os pontos positivos do projeto mexicano, Emiliano destaca o fortalecimento do órgão de regulação do setor, a maior proteção dada aos direitos do consumidor, o compartilhamento da infraestrutura entre as empresas de telecomunicações e a criação de uma empresa pública de radiodifusão e da figura do defensor da audiência, que terá a incumbência de ouvir as queixas da população e cobrar resoluções dos problemas junto ao poder público.

O poder da mídia na contemporaneidade é ressaltado por Emiliano José, que é jornalista e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), que defende o amplo acesso da sociedade civil aos meios que promovam o direito à comunicação. “Sabemos que as grandes empresas de mídia pretendem deter o monopólio do discurso e que elas interferem politicamente na sociedade, atuando como se fosse partidos políticos. Elas são quase uma ‘Espada de Dâmocles’ pendendo permanentemente sobre a sociedade e fica evidente que precisamos democratizar o acesso da sociedade aos meios de comunicação”, argumenta Emiliano.

No Brasil, avalia o parlamentar baiano, o “norte” de um novo marco regulatório da mídia pode ser a Constituição Federal. “Se tivermos assegurado pelo menos aquilo que já está consagrado na Constituição, mas nunca foi regulamentado, como a proibição da formação de monopólios e oligopólios, o fim da propriedade cruzada dos meios, entre outros itens, já teremos dado passos muito significativos”, afirma.

Confira alguns dos principais itens do projeto para a nova regulamentação da comunicação no México:

Telecomunicações

  • Fim da cobrança por terminações de chamadas de longa distância fixa e por celular a partir de 1º de janeiro de 2015.
  • Custos de interconexão serão eliminados, estabelecendo-se o modelo bill & keep até que haja equilíbrio entre as empresas na ordem de 40/60.
  • O IFT, órgão regulador de telecomunicações do México, ganha importância. Definirá índices de qualidade e poderá aplicar sanções em caso de descumprimento de normas de competição. Também será responsável por ceder as concessões e definir, periodicamente, quais são as empresas preponderantes.
  • A Profeco, espécie de Procon federal mexicano, regulará e aplicará sanções em caso de abusos sobre o consumidor. A Segob, algo como secretaria-geral da presidência da República, fica encarregada de observar e sancionar deslizes na produção audiovisual, especialmente dos canais públicos. A classificação etária dos programas de TV, porém, será feita pelo IFT.
  • As multas do IFT sobre as empresas de telecom serão de de 2% a 10% do faturamento da companhia, de acordo com a ocorrência. O bloqueio de acesso a internet a um usuário, se não justificado, pode resultar em multa de 1% a 4%, por exemplo. O descumprimento de resoluções tarifárias pode render multa de 2% a 6%.
  • Validade de um ano para o crédito e consulta gratuita de saldo no celular pré-pago.
  • Empresas deverão atender aos pedidos de portabilidade numérica em até 24 horas, gratuitamente.
  • Haverá contrapartida aos consumidores prejudicados por perda de sinal ou serviço com qualidade abaixo do contratado.
  • Todos os aparelhos celulares vendidos no país deverão ser desbloqueados.
  • As empresas consideradas preponderantes deverão ceder, gratuitamente, sua infraestrutura para uso das concorrentes. No caso, Telmex, Telnor, Telcel e América Móvil (todas de Carlos Slim) em telecomunicações, e Televisa em radiodifusão.
  • O bloqueio de conteúdos da internet, presente no documento enviado inicialmente ao Congresso, foi retirado no Congresso após acusações de que quebraria a neutralidade da rede.
  • Guarda de logs: as empresas deverão guardar, por dois anos, metadados de acesso e registros das comunicações dos usuários.
  • Autoridades poderão solicitar a localização de usuário sem necessidade de ordem judicial.
  • O sistema analógico de televisão para de funcionar em 31 de dezembro de 2015.
  • Emissoras poderão usar multiprogramação.
  • Emissoras com cobertura de 50% do território deverão transmitir programas com closed caption e língua de sinais em até três anos. A partir da sanção da lei, os noticiários de maior audiência do país terão que ter os recursos de acessibilidade.
  • Grupos estrangeiros poderão investir nas empresas locais de radiodifusão. Segundo analistas locais, os investimentos poderão alcançar US$ 30 bilhões.
  • Serão leiloadas duas novas cadeias de TV digital, que vão usar, inicialmente, a infraestrutura da Televisa.
  • Emissoras de rádio poderão veicular no máximo 24 minutos de publicidade por hora. As de TV, 11 minutos.
  • Estrangeiros poderão ter 100% do capital de empresa de telefonia fixa. No setor móvel, isso já é permitido.
  • Empresas deverão criar e divulgar um código de ética que obedeça a parâmetros estabelecidos pelo IFT. A audiência para ter direitos, como o de ter acesso a conteúdos que respeitem os direitos humanos, clara distinção entre conteúdo e publicidade, e entre informação e opinião. O texto também veta qualquer tipo de censura prévia e assegura liberdade de expressão e editorial.
  • As emissoras deverão criar a figura do defensor da audiência, que deverá responder às queixas do público em até 20 dias.
  • Criação de uma empresa pública de radiodifusão, com foco em produções audiovisuais independentes e produção de notícias. A empresa será gerida por um conselho com integrantes do governo e da sociedade.
  • Os canais públicos serão mantidos principalmente pelo governo, com inserções publicitárias de no máximo cindo segundos.
  • Rádios e TVs comunitárias ou indígenas poderão vender espaço publicitário a órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, que poderão dotar no máximos 1% do orçamento de comunicação social para estes veículos.
  • A lei também reserva espectros AM e FM para rádios comunitárias e indígena.

Radiodifusão

Rogério Tomaz Jr. com Portal Tele.Síntese

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Milhões de trabalhadores devem ir às ruas em defesa do serviço público de qualidade

Diante dos ataques que Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes…