Home Portal Notícias Reconhecimento da agricultura familiar pela ONU coincide com melhor momento do Brasil no setor, destacam petistas

Reconhecimento da agricultura familiar pela ONU coincide com melhor momento do Brasil no setor, destacam petistas

9 min read
0

Anoagriculturafamiliar

Foto: Gustavo Bezerra

Durante sessão solene do Congresso Nacional nesta terça-feira (3), para celebrar 2014 como Ano Internacional da Agricultura Familiar, Camponesa e Indígena, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), parlamentares do PT destacaram o momento positivo do setor no Brasil.

A sessão ocorre no mesmo dia em que a presidenta Dilma Rousseff tratou do assunto em sua coluna Conversa com a Presidenta. Dilma enfatizou que “nunca houve um volume tão grande de recursos para essa área na história do Brasil. Se compararmos com o aplicado na safra de 2002/2003, no início do governo Lula, o valor de hoje é dez vezes maior”, disse, referindo-se aos R$ 24,1 bilhões que serão destinados ao Plano Safra 2014/2015 para a Agricultura Familiar.

Proponente da sessão solene, a deputada Luci Choinacki (PT-SC) comemora a visibilidade que a escolha da ONU proporciona à agricultura familiar e a consolidação das políticas públicas para os pequenos produtores brasileiros. “Agricultores familiares, assentados da reforma agrária, indígenas e quilombolas, ao longo da história do Brasil, sempre foram esquecidos pelo poder público. Com o presidente Lula começou um processo de valorização destes segmentos que continua e se fortalece com a presidenta Dilma. E o reconhecimento da agricultura familiar pela ONU é importantíssimo, especialmente porque um terço da população mundial vive no campo e quem vive nas cidades depende da produção do campo”, afirmou Luci, que coordena o Núcleo Agrário da bancada petista na Câmara e a Frente Parlamentar pelo Desenvolvimento da Agroecologia e Produção Orgânica.

Para o deputado Assis do Couto (PT-PR), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, a escolha da ONU é o “reconhecimento daquilo que a agricultura familiar dá à sociedade” no mundo inteiro. “Tanto do ponto de vista da produção de alimentos e da economia, quanto da manutenção da cultura do campo e do equilíbrio demográfico que a permanência das famílias no campo proporciona, a agricultura familiar é fundamental para o mundo”, disse Assis do Couto.

Já o deputado Padre João (PT-MG) lembrou que o Brasil se tornou, sob os governos do PT, “referência e inspiração” para diversos países ao redor do mundo e que as políticas implantadas e aperfeiçoadas pelos governos Lula e Dilma tiraram milhões de pessoas da extrema pobreza. “Através dessas políticas, milhões de pessoas, inclusive no campo, saíram da miséria e hoje estão contribuindo com esse País e garantindo que o alimento chegue à mesa dos brasileiros”, declarou Padre João, que preside a Frente Parlamentar pela Segurança Alimentar e Nutricional.

Na opinião do deputado Pedro Eugênio (PT-PE) o impacto positivo da estruturação da agricultura familiar beneficiou, sobretudo, as regiões Norte e Nordeste. “No Nordeste, o Pronaf [Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar] está universalizado, ao ponto de podermos afirmar que o crédito agrícola estruturou melhor as propriedades rurais e, juntamente com os programas sociais, isso é o fator responsável por não vemos mais saques acontecendo em razão de secas como a que ainda estamos atravessando”, argumentou Pedro Eugênio, que é o coordenador da Bancada do Nordeste.

O selo especial criado pelo Correios para marcar o ano foi ressaltado pelo deputado Paulão (PT-AL). “O Correio é uma empresa secular e nunca havia lançado um selo com este tema. Isso mostra o reconhecimento das políticas que foram implantadas nesse setor por um governo que tem uma visão progressista do Brasil”, frisou Paulão.

Para o deputado Assis Carvalho (PT-PI), que é filho de agricultor familiar e ele próprio exerce este ofício, é necessário sempre “acreditar na força do trabalho de quem, no dia a dia, leva mais qualidade de vida, com a alimentação orgânica, para a mesa da população”.

Outro que discursou na sessão solene, o deputado Anselmo de Jesus (PT-RO)declarou que as ações de apoio à agricultura familiar são hoje uma “política de Estado e não apenas de governo” e que o Brasil hoje tem o Diretor Geral da FAO, José Graziano, porque “cumpriu o seu dever de casa” e possui hoje grande protagonismo internacional nesta área.

Além de diversos deputados e senadores, participaram da sessão solene Miguel Rosseto, ministro do Desenvolvimento Agrário e representantes da ONU e da FAO no Brasil. Rosseto lembrou que o governo brasileiro traduz os seus compromissos com a agricultura familiar em iniciativas concretas e garantiu às famílias do campo o acesso a um sistema público de crédito para que possam produzir mais e melhor. “Não há na história do nosso país tamanho recurso para financiar o plantio e o custeio dos agricultores familiares”, disse Rosseto, citando o volume de R$ 24,1 bilhões disponíveis para o setor.

Rogério Tomaz Jr.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Promulgada PEC de Gleisi Hoffmann que fortalece estados e municípios com repasse direto de recursos

Vai ficar mais fácil o acesso aos recursos das emendas parlamentares individuais destinada…