Home Portal Multimídia Câmara realiza debate sobre investimentos aos livros digitais e aparelhos de leitura

Câmara realiza debate sobre investimentos aos livros digitais e aparelhos de leitura

6 min read
0

fatimabezerra

 

 

Atualizar as definições do que é considerado livro no Brasil e ampliar os investimentos do Governo Federal na produção e distribuição de conteúdos digitais, conhecidos como E-Books, foi o objetivo de audiência pública realizada nesta terça-feira (06). 

A organização dos debates ficou por conta da Comissão de Cultura e Educação, que reuniu especialistas na área, parlamentares, técnicos do Governo Federal e empresários do setor. “Temos de reconhecer que o livro digital é uma realidade cada vez mais presente nas sociedades modernas e um instrumento muito procurado pelos jovens e pessoas inteiradas com as novas formas de comunicação” explicou a presidenta da Comissão de Educação da Câmara, deputada Fátima Bezerra (PT-RN).

A petista também é relatora do Projeto de Lei 4534/2012, que altera a “Política Nacional do Livro” para atualizar o conceito de livro e dos equipamentos que tenham função exclusiva, ou principal, de leitura de textos em formato digital. Desta forma, os conteúdos digitais (E-books) e seu suporte de leitura (E-Readers), serão tratados como livro e receberão incentivos fiscais para serem comercializados no Brasil. “Nós trabalhamos para aprimorar a legislação com vistas a promover o livro e a leitura no nosso País” afirmou Bezerra.

Pesquisa divulgada pelo IBOPE em 2012 mostra que 18% da população brasileira tem contato com os livros digitais e, desse valor, mais da metade tem “gostado muito dessa experiência”. Com base nesses dados as maiores empresas de E-Readers no Brasil, Amazon e a Livraria Cultura, apontam um aumento de 300% no crescimento nas vendas do aparelho deste ano em relação ao ano passado. “O grande desafio é tornar o E-Reader mais acessível no Brasil. Se o aparelho tiver um tratamento igual ao do livro, livre de determinados impostos, o preço cai pela metade e quanto mais barato, mais as pessoas terão acesso à leitura, ao conhecimento e educação” explicou Sérgio Herz, presidente da Livraria Cultura.

No final de abril, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), divulgou a pesquisa Reading in the Mobile Era, que destaca as tecnologias móveis, como e-books e tablets, no auxilia à alfabetização e o ensino em comunidades desfavorecidas pelo mundo. Este também é o argumento do vice-presidente da Amazon no Brasil, Alex Szapiro. “Essa discussão vai além dos E-Readers, precisamos pensar em como criar o conteúdo de livros e fazer eles chegarem até locais onde as pessoas não tem acesso a livrarias ou bibliotecas. E os conteúdos digitais que estão em domínio público são gratuitos, o que facilita esse acesso” disse. 

Apesar dos números otimistas, um dado da pesquisa IBOPE chama atenção, quando revela que 82% dos brasileiros não tem contato com aparelhos de leitura digital. Por isso, a diretora de Formulação de Conteúdos Educacionais da Secretaria de Ensino Básico do Ministério da Educação, Mônica Franco, ressalta que o objetivo deste tipo de debate é fazer com que “as políticas de conteúdo estejam alinhadas com a questão do preço acessível aos aparelhos e à educação de professores. Somente desta forma poderemos ter melhoria na condição de aprendizagem” concluiu.

Por Janary Damacena, da Agência PT de Notícias.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Retorno às aulas no momento é atitude inconsequente e perigosa, alerta Waldenor Pereira

O retorno às atividades escolares, sem nenhum plano de segurança de saúde, e em momento de…