Home Portal Notícias Embaixador da ONU para eliminação da hanseníase destaca avanços e desafios do Brasil

Embaixador da ONU para eliminação da hanseníase destaca avanços e desafios do Brasil

9 min read
0

hanseniase

A Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) da Câmara recebeu, nesta quarta-feira (18), em parceria com a Frente Parlamentar pela Erradicação da Hanseníase e Doenças Elimináveis, o embaixador especial das Nações Unidas para a Eliminação da Hanseníase, o japonês Yohei Sasakawa, juntamente com representantes do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan).

A visita do embaixador teve o objetivo de dialogar com o Parlamento e o Executivo para que o Brasil assinasse o “Apelo Global contra a Hanseníase”, manifesto de compromisso pela erradicação da doença até 2015. A assinatura do documento foi feita também nesta quarta, pela ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário.

Para o deputado Dr. Rosinha (PT-PR), presidente da CSSF, a vinda do embaixador “chama a atenção para o numero ainda bastante elevado de casos” no Brasil. “O embaixador nos alerta para a necessidade de o SUS estar preparado para identificarmos as pessoas com hanseníase e garantir a elas o tratamento necessário. Por outro lado, ele também destacou que o Brasil é único país do mundo que tem uma política de reparação às pessoas que foram praticamente punidas pelo Estado em vez de serem tratadas como cidadãs, pois elas foram reclusas e isoladas dos seus familiares numa época em que vigorava um tratamento inadequado a esta doença”, argumentou Rosinha.

Para o deputado Nilmário Miranda (PT-MG), coordenador da frente parlamentar, as doenças relacionadas à pobreza que ainda persistem no Brasil são fruto da imensa desigualdade social acumulada durante séculos, mas a eliminação completa delas deve ser prioridade do governo e da sociedade. “Ainda temos muitos casos no semiárido, na região Norte e no Centro-Oeste e superar essa doença é um desafio permanente para o Brasil. Temos obtido avanços, especialmente na prevenção, com a vacinação de milhões de crianças para termos o diagnóstico precoce, mas ainda não temos a garantia de que erradicaremos essa doença até 2015”, pondera Nilmário.

Outro aspecto positivo destacado pelo coordenador da frente parlamentar é o programa Mais Médicos, que poderá fortalecer a atenção básica da saúde e contribuir para a erradicação da hanseníase. “Os médicos brasileiros e estrangeiros que estão atuando no Mais Médicos são humanistas, sabem como enfrentar as doenças decorrentes da pobreza e vão trabalhar em municípios e regiões onde não existia um médico sequer. Com certeza esse programa vai reforçar o combate à hanseníase”, comemora Nilmário.

O parlamentar também enalteceu a atuação do embaixador especial da ONU, que é empresário e tem dedicado sua vida ao combate à hanseníase. “Espero que os empresários brasileiros se mirem no exemplo dele, que não é médico, mas abraçou essa luta”, ressaltou Nilmário.

O Brasil é o país com a maior quantidade de casos de hanseníase – doença associada à pobreza – no planeta, com uma média de novos 30 mil casos registrados por ano. Apesar disso, o próprio embaixador Sasakawa afirmou que o tratamento à doença no Brasil é o melhor do mundo.

Também participaram do encontro a deputada Iara Bernardi (PT-SP) e os deputados Amauri Teixeira (PT-BA) e Nazareno Fonteles (PT-PI), além de dezenas de pessoas recuperadas da hanseníase.

Confira abaixo a íntegra do texto do Apelo Global contra a Hanseníase.

Foto: Gustavo Bezerra

Rogério Tomaz Jr.     

Apelo Global 2014 contra a hanseníase

A Hanseníase é uma das doenças mais antigas da humanidade. Causada por um bacilo, hoje é completamente curável com remédios. Ao contrário da crença espalhada globalmente, não é hereditária, não é intratável, não é altamente infecciosa e não é, absolutamente, uma punição divina.

De qualquer forma, por causa dos mitos e equívocos que cercam a hanseníase, a discriminação está sempre muito próxima.

A discriminação pode limitar as oportunidades de educação, de empregabilidade e de casamento. Também restringe o acesso a serviços públicos e pode marginalizar famílias inteiras.

Em dezembro de 2010, em reconhecimento aos devastadores impactos sociais, econômicos e psicológicos, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a resolução de eliminação da discriminação contra as pessoas afetadas pela Hanseníase e os membros de suas famílias.

A resolução é acompanhada de princípios e diretrizes e reafirma que pessoas afetadas pela Hanseníase e seus familiares devem ser tratados como indivíduos com dignidade e fazem jus a todos os direitos humanos fundamentais, bem como, às liberdades individuais protegidos pelas leis internacionais, convenções relevantes e constituições e leis nacionais.

Como uma instituição de direitos humanos nacionais, nós do Morhan, aplaudimos a resolução das Nações Unidas e condenamos todas as violações de direitos humanos relacionados à Hanseníase.

Nós apoiamos os direitos das pessoas afetadas pela Hanseníase a viver com dignidade e livres da discriminação.

Nós garantimos nosso apoio para ajudar a quebrar as barreiras que restam do estigma e do preconceito que ainda permanecem no meio deste caminho.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líder do PT requer informações de Paulo Guedes sobre cessão de carteira de crédito de R$ 2,9 bi do BB para o BTG Pactual

O líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), protocolou hoje (15) requerimento de informações…