Home Portal Notícias Taxa de desemprego é a menor para o mês de outubro, aponta IBGE

Taxa de desemprego é a menor para o mês de outubro, aponta IBGE

6 min read
0

graficodesce

A taxa média de desemprego calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em seis regiões metropolitanas manteve em outubro tendência de estabilidade e ficou em 5,2%, próxima tanto da de setembro (5,4%) como de outubro do ano passado (5,3%). Foi a menor para esse mês na série histórica, iniciada em 2002. Também é a mais baixa do ano, segundo os dados divulgados na manhã de hoje (21) pelo IBGE.

O deputado Amauri Teixeira (PT-BA) elogiou os resultados. “Podemos dizer que o governo  brasileiro está no caminho certo na sua atitude em relação à economia. O mundo todo está em crise, em recessão, no mundo todo o desemprego cresce. E no Brasil temos taxa de desemprego que nunca houve neste País”, disse o petista.

O total de desocupados foi estimado em 1,270 milhão, 58 mil a menos do que em setembro (-4,4%) e 44 mil a menos na comparação com outubro de 2012 (-3,3%). O número de ocupados (23,279 milhões) ficou praticamente estável, 0,4% acima no mês (acréscimo de 85 mil) e 0,4% abaixo em 12 meses (87 mil a menos).

A economia tem criado menos vagas, mas o ritmo mais fraco de entrada de pessoas no mercado de trabalho também ajuda a segurar a taxa de desemprego. A população economicamente ativa (PEA) praticamente não saiu do lugar de setembro para outubro, com variação de 0,1% (27 mil a mais). Em 12 meses, recua 0,5% (menos 130 mil).

Consideradas as médias anuais, de janeiro a outubro, a de 2013 também é a menor da série: 5,6%, um pouco abaixo de igual período de 2012 (5,7%). Com exceção do período 2008-2009, as taxas de desemprego vêm caindo nos dez últimos anos.

Também em menor ritmo, o emprego formal mantém tendência de crescimento. O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado foi estimado em 11,875 milhões no mês passado, praticamente sem variação (0,5%) ante setembro. Na comparação anual, cresce 3,6%, o correspondente a 414 mil postos de trabalho a mais.

Os empregados sem carteira (2,143 milhões em outubro) caem 2,7% no mês (menos 59 mil) e 12,6% em 12 meses (308 mil a menos). Em relação a outubro de 2012, a participação dos sem carteira no total dos ocupados caiu de 10,5% para 9,2%, enquanto a dos com carteira aumentou de 49,1% para 51%.

O rendimento médio dos ocupados (R$ 1.917,30) também foi considerado estável pelo IBGE, em relação a setembro (-0,1%). Em 12 meses, cresce 1,8%. A massa de rendimentos, estimada em R$ 45,1 bilhões, fica estável no mês e sobe 1,4% na comparação com outubro de 2012.

Ante  outubro do ano passado, o emprego fica estável, segundo análise do IBGE, na maioria dos setores: variações de -2,4% na indústria (menos 89 mil vagas), -4% na construção civil (menos 75 mil), 1% no comércio (mais 42 mil), 1,5% nos serviços prestados a empresas (mais 55 mil), 3,1% em educação, saúde e administração pública (mais 122 mil) e -0,9% em outros serviços (-36 mil). Em serviços domésticos, cai 8,4%, com 127 mil trabalhadores a menos.

Entre as regiões pesquisadas, o instituto não observou variação considerada significativa no mês. Já em relação a outubro do ano passado, a taxa sobe de 7% para 9,1% em Salvador e cai de 3,9% para 3% em Porto Alegre, menor índice da série histórica. As taxas médias atingiram 4,1% em Belo Horizonte, 6,1% em Recife, 4,1% no Rio de Janeiro e 5,6% em São Paulo – nos dois últimos casos, as  menores para outubro.

Equipe PT na Câmara com Rede Brasil Atual

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líder do PT denuncia nova ação ilegal de Dallagnol e pede seu afastamento da Lava Jato

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), protocolou hoje (21), no Conselho Nacional do…