Home Portal Notícias PT apoia criação de cotas para negros nos parlamentos, afirma Líder José Guimarães

PT apoia criação de cotas para negros nos parlamentos, afirma Líder José Guimarães

4 min read
0

lider-011113

Foto: Gustavo Bezerra/PT na Câmara

O líder do PT na Câmara, deputado José Guimarães (CE), disse nesta sexta-feira (1º) que a bancada do partido vai apoiar a proposta de criação de cotas para parlamentares negros nos parlamentos. De autoria dos deputados petistas Luiz Alberto (BA) e João Paulo Cunha (SP), a Proposta de Emenda a Constituição (PEC 116/11) reserva vagas na Câmara dos Deputados, assembleias legislativas e na Câmara Legislativa do Distrito Federal, por cinco legislaturas, para parlamentares negros. A admissibilidade da proposta foi aprovada nesta semana na Comissão de Constituição e Justiça.

“Essa não é uma questão de privilégios, mas sim uma questão de justiça que diz respeito à pluralidade da sociedade brasileira. Enquanto bancada vamos lutar para que a proposta seja aprovada”, defendeu Guimarães. Na mesma linha, o deputado Luiz Alberto, que preside a Frente Parlamentar Mista pela Igualdade Racial, informou que na próxima semana vai cobrar do presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), a instalação da Comissão Especial para analisar a PEC.

Luiz Alberto esclareceu que a adoção das cotas “não é uma invenção brasileira”, mas já existe em vários países. “A Alemanha e a França já adotaram as cotas no parlamento para as minorias étnicas. E como exemplos mais próximos, a Bolívia e a Colômbia também já colocaram essa política em prática”, argumentou. Segundo ele, parte das críticas são fruto da falta de conhecimento sobre o objetivo da PEC, mas outras partem de setores que temem perder o poder político.

“As críticas são as mesmas da época em que se instituiu o sistema de cotas raciais nas universidades  públicas. Mas creio que a polêmica com a PEC atual será muito maior porque mexe com a ocupação do espaço do poder político no País. E esse é exatamente o objetivo da PEC”, explicou Luiz Alberto.  

Pela proposta, o número de vagas reservadas nos parlamentos será definido com base no percentual de pessoas que se declararam negras ou pardas no Censo do IBGE. A PEC define que esse número não poderá ser menor que 1/5 do total das vagas no Parlamento ou maior que a metade delas.

Desigualdade– Apesar de representarem mais da metade da população brasileira – 51% segundo o Censo do IBGE de 2010 – negros e pardos estão sub-representados no parlamento brasileiro. Na Câmara, apenas 43 parlamentares se autodeclaram pertencentes a esse segmento da sociedade, entre 513 deputados. No Senado, em meio a 81 senadores, são apenas dois.

Héber Carvalho

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputadas repudiam ataques misóginos e machistas de Bolsonaro à jornalista Patrícia Mello

Parlamentares do PT, PCdoB, PSOL, PSB e da Rede protestaram no plenário e no Salão Verde d…