Home Portal Notícias Programa Mais Médicos promoverá “revolução” na área da medicina do país

Programa Mais Médicos promoverá “revolução” na área da medicina do país

5 min read
0

O projeto de lei de conversão (PLV) do deputado Rogério Carvalho (PT-SE) à medida provisória (MP 621/13), que trata do Programa Mais Médicos, incluiu mudanças no campo da política sanitária e sua conexão com o ensino da medicina no país, entre outros. O texto vai a voto nesta terça-feira (8) e foi debatido exaustivamente em comissão especial. Um dos objetivos do programa é reduzir a carência de médicos nas regiões mais carentes do país.  “A proposta promove uma revolução sem precedentes na área da medicina no país”, avalia Rogério Carvalho.

Recursos Humanos – O novo texto prevê o aperfeiçoamento de profissionais da medicina na atenção básica da saúde nas regiões prioritárias do SUS; estabelece um sistema de ordenamento de recursos humanos na área da saúde e introduz a equiparação entre o número de vagas da residência médica e o número de egressos do curso de medicina.

Residência médica ampliada – A proposta prevê também a residência médica na área de Família e Comunidade, que servirá de pré-requisito para outras residências, salvo excepcionalidades. A residência em Família e Comunidade terá duração de dois anos, sendo que o primeiro ano será obrigatório para o ingresso em outros programas de residência, como pediatria, ginecologia e obstetrícia, cirurgia geral, entre outros.

Graduação – Em relação à graduação foram incluídas exigências para abertura e funcionamento dos cursos de graduação em medicina e mais rigor no cumprimento de diretrizes curriculares. Foi incluído no texto o teste de progresso na avaliação dos estudantes de medicina. Essa avaliação será feita a cada dois anos e será aplicada em todos os cursos de medicina do país. O objetivo é avaliar a qualidade desses cursos e medir o grau de desempenhos dos alunos ao longo da graduação.

Registro provisório – Outra mudança incorporada no texto diz respeito ao registro profissional provisório para médicos estrangeiros que vão atuar no país. Caberá ao Ministério da Saúde a responsabilidade pelo registro dos médicos estrangeiros que atuarão no programa. No entanto, os Conselhos Regionais de Medicina (CRM) permanecem com a incumbência  de fiscalizar esses profissionais.

Revalida – O prazo de permanência dos médicos no programa será de três anos prorrogáveis por mais um, em vez de mais três anos. A partir daí, aqueles que quiserem trabalhar, ainda que no programa, vão ter de fazer a revalidação do diploma, não necessariamente, o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida).

Fórum – A criação de um fórum permanente de discussão para debater e desenvolver ações no sentido de conhecer a real necessidade de diferentes profissões está prevista no texto do relator. 

Tarciano Ricarto

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…