Home Portal Notícias Quantidade de armas de fogo influencia taxa de homicídios, aponta pesquisa do Ipea

Quantidade de armas de fogo influencia taxa de homicídios, aponta pesquisa do Ipea

6 min read
0

molon-comissao-050913

Foto: Gustavo Bezerra/PT de Câmara

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado realizou, nesta quinta-feira (5), uma audiência pública para discutir os impactos do Estatuto do Desarmamento sobre a demanda pessoal por armas de fogo. A atividade foi proposta pelo deputado Alessandro Molon (PT-RJ) e contou com especialistas a favor do desarmamento e também com defensores do direito à defesa pessoal, contrários ao desarmamento da população civil.

A audiência teve como foco central o estudo apresentado pelo pesquisador Daniel Castro, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no qual é comprovada a correlação entre a disponibilidade de armas de foto e a quantidade de homicídios. Segundo a pesquisa, a cada ponto percentual incrementado no número de armas de fogo de uma cidade, a taxa de homicídios chega a aumentar dois pontos percentuais. Outro dado importante do estudo indica que os crimes contra o patrimônio econômico não são influenciados pelo aumento ou redução do número de armas em uma determinada localidade.

O pesquisador enfatizou que a presença de armas de fogo não é o único fator causal dos homicídios e da criminalidade em geral, mas defendeu a regulamentação forte da questão. “Sou a favor das liberdades individuais, mas em algumas situações, onde a ação de uns afeta o bem estar dos demais, há a necessidade de regulação do Estado e as armas de fogo constituem um caso clássico, pois elas afetam a probabilidade de outras pessoas sofrerem homicídios pelo fato de alguém ter comprado uma arma”, afirmou Castro, cuja pesquisa “Causas e Consequências do Crime no Brasil” venceu em 2011 o prêmio Haralambos Simeonidis, na categoria melhor tese de doutorado, concedido pela Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia (ANPEC).

Para o deputado Alessandro Molon, o debate foi muito importante e contribuirá muito para a discussão realizada no âmbito da comissão. “Foi uma audiência muito positiva, especialmente pelo estudo do Ipea, um órgão da maior seriedade, que demonstra que quanto maior a quantidade de armas, mais homicídios ocorrem, bem como aponta a falsidade da ideia de que uma maior quantidade de armas gera uma menor quantidade de crimes contra o patrimônio. Esses dados colocam a discussão sobre esse tema num outro patamar”, avalia Molon.

Outro ponto questionado na audiência foi a baixa efetividade das campanhas pelo desarmamento voluntário e a necessidade de fortalecimento das mesmas. “Ficou claro que a divulgação da campanha é deficiente e que o governo precisa dar maior visibilidade a esta ação, inclusive porque, muitas vezes, a arma que ‘nasce’ de forma legal, em algum momento se torna ilegal”, propôs o parlamentar fluminense.

Molon rebateu críticas de parlamentares conservadores que defendem uma maior liberalização para o comércio e o porte de armas, o que contraria o Estatuto do Desarmamento. “Não é admissível que quem faz as leis pregue o descumprimento das leis. Enquanto a lei não for modificada, ela deve ser cumprida. Devemos é aperfeiçoar o cumprimento do Estatuto do Desarmamento. Ninguém questiona o resultado do referendo que permite a venda de armas, mas dentro das regras que já existiam antes, baseadas no Estatuto”, destacou Molon.

No Brasil, a média anual de homicídios nos últimos anos ficou estabilizada em torno de 50 mil mortes, uma das mais elevadas do mundo.

Rogério Tomaz Jr.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bancada do PT apoia parecer sobre a MP 936, mas vai apresentar destaques para proteger trabalhadores

O líder do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR), afirmou nesta quinta-feira (28), que a …