Home Portal Notícias Danos morais: Revista Veja é condenada a indenizar Luiz Gushiken

Danos morais: Revista Veja é condenada a indenizar Luiz Gushiken

5 min read
0
gushiken
Foto: Emiliano Capozzi/Folhapress
 
A 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou a revista Veja a pagar a título de indenização por danos morais, o montante de R$ 20 mil a Luiz Gushiken, ex-chefe do Núcleo de Assuntos Estratégicos no governo do ex-presidente Lula. 
 
O semanário da Editora Abril foi condenado pela matéria publicada em 23 de agosto de 2006, da coluna Radar. O texto foi produzido pelo jornalista Lauro Jardim que afirmou que o ex-ministro, apesar de não ter condições financeiras, pagara um jantar no valor de R$ 3,5 mil. A nota fiscal de pagamento apresentado pela defesa de Gushiken comprovou que o valor pago foi de R$ 362,89.
 
De acordo com o desembargador Alcides Silva Júnior, que proferiu a sentença, a matéria “excedeu os limites dos direitos de informação, opinião e de crítica”. Ainda, segundo a sentença, há a “comprovação da inexatidão de parte dos fatos alegados”. Isso, de acordo com a ementa, caracteriza “lesão à honra”.
 
O deputado Fernando Ferro (PT-PE) fez questão de lembrar a trajetória de Luiz Gushiken que, segundo o petista, é um das figuras mais representativas, íntegras e respeitadas na politica brasileira. “Essa sentença é o início da reparação de uma pessoa respeitada e digna. Ele é referência política dentro do PT e do País”, ressaltou Fernando Ferro. 
 
Para o parlamentar petista, as “calúnias”, “infâmias” e “difamações” são práticas corriqueiras da revista. “É recorrente esse tipo de postura da revista Veja. Ela pratica um jornalismo de militância política que lança mão de mentiras, publica matéria falsa, onde a vida das pessoas não é respeitada”, lamentou. 
Lei – Na opinião de Fernando Ferro, isso só acontece porque não existe qualquer tipo de lei que regulamente a imprensa brasileira. Com essa ausência, explica, “é salutar que a justiça repare os absurdos que a revista Veja, a serviço da prática mais reacionária no País, pague pelos erros cometidos”.
 
Dano moral – Ainda de acordo com a sentença, “o autor sofreu dano moral pelos equívocos da matéria jornalística, não só pela disparidade do gasto que lhe foi atribuído, com o histórico de sua militância política, desde os tempos da LIBELU e do Sindicato dos Bancários até a fundação do PT e da CUT, e esta foi a intenção alegada, mas porque incompatível com a austeridade exigida, não só pelo alto cargo ocupado, à época, no Governo Federal, mas pela influência pessoal que detinha em decisões relevantes de interesse nacional…”
 
Benildes Rodrigues com Agências
Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Renda dos trabalhadores cai 20% e inflação de alimentos aumenta

Completa ausência de medidas da área econômica do governo eleva preços de produtos como ól…