Home Portal Notícias Lei de acesso à informação será analisada e petistas defendem adesão de estados

Lei de acesso à informação será analisada e petistas defendem adesão de estados

5 min read
0

ferro2

A Lei de Acesso à Informação (Lei 12.527/11), sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em novembro de 2011, motivou seminário para analisar o seu primeiro ano de vigência. O debate é promovido pela Controladoria Geral da União (CGU) e acontece no próxima quinta-feira (16).

Os parlamentares petistas Fernando Ferro (PE), Praciano (AM) e Erika Kokay (DF) destacaram a importância desse mecanismo que permite à população conhecimento das ações do poder público nas esferas Federal, Estadual e Municipal. No entanto, eles atentam para a necessidade da aplicabilidade da Lei nos estados e municípios. 

O último balanço apresentado pela Controladoria Geral da União (CGU) revela que nesse ano de vigência da lei, o executivo federal recebeu 47. 290 solicitações de informação. Desse total, cerca de 90%, foram respondidas. O levantamento aponta também que 17 capitais brasileiras e cerca de 90% dos municípios ainda não regulamentaram a Lei de Acesso à Informação.

Para Fernando Ferro, esse instrumento que permite a transparência dos atos dos órgãos públicos “é uma conquista da democracia e da cidadania”. De acordo com o parlamentar petista, a lei caminha a “passos largos”, no âmbito federal. No entanto, ele adverte para o fato da não adesão de estados e municípios à nova legislação.

“O que se percebe é que a cultura do abafa, do esconde, é forte principalmente nos estados e municípios. É evidente que alguns estados têm restrições a ela. É preciso cobrar dos estados e municípios a adesão a esse processo. Em cada um desses entes federados é possível a aplicação dessa legislação para estabelecer a cultura de democracia, cidadania e transparência”, ressaltou Fernando Ferro.

O deputado Praciano classificou a instituição da lei como “grande avanço” e lembrou que o Brasil é reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um dos países mais transparentes do mundo. De acordo com o petista, a nova norma motiva a participação popular na fiscalização dos gastos públicos. “É uma lei da sociedade moderna. Ela instrumentaliza o cidadão a cobrar e a reclamar aos órgãos competentes da justiça agilidade na aplicação da lei, nos casos de corrupção e improbidade administrativa”, disse. 

Para a deputada Erika kokay, a lei “assegura que a população conheça os atos do Estado e se aproprie dele”. De acordo com a parlamentar, a nova legislação “eleva a consciência de direito e de cidadania”.

Seminário – A CGU vai apresentar a atualização dos referidos dados, em seminário a ser realizado na quinta-feira (16), no Unique Palace – Setor de Clubes Esportivos Sul (SCES), das 9h às 18h30.

Benildes Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…