Home Portal Notícias Brasil lidera recuperação da crise, afirma Meirelles

Brasil lidera recuperação da crise, afirma Meirelles

5 min read
0

meirelesA economia brasileira se recupera com rapidez dos efeitos causados pela crise financeira internacional. A inflação está sob controle, os juros e o desemprego têm trajetória de queda, a concessão de crédito e as reservas internacionais alcançam os níveis pré-crise. As informações são do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que participa nesta quinta-feira de audiência pública na Comissão Mista de Orçamento. “O Brasil está entre os líderes do processo de recuperação econômica no mundo”, afirmou.

A inflação acumulada nos últimos 12 meses até agosto de 2009 é de 4,36% – ligeiramente inferior ao centro da meta, que é de 4,5%. A expectativa do mercado é de uma inflação de 4,3% em 2009. “Em 2008, o Brasil entregou à sociedade uma das únicas inflações dentro da meta entre os países mais importantes”, afirmou Meirelles.

O presidente do Banco Central destacou ainda a situação da taxa de juros, que também apresenta trajetória descendente. O mercado estima uma taxa de juros de 8,71% para 180 dias e de 9,18% para 360 dias. A taxa de juros real, descontadas as expectativas de inflação, é de 4,9% – a mais baixa desde janeiro de 2003.

O desemprego também caiu no Brasil. A taxa alcançou 8% em junho deste ano, a menor desde 2004 para esse mês. O desemprego bateu os 9,7% nos Estados Unidos e os 9,5% na Área do Euro. No Japão, a taxa em junho de 2009 foi de 5,4%.

A concessão de crédito subiu. Entre janeiro e setembro de 2008, antes da crise financeira internacional, eram emprestados R$ 7,1 bilhões por dia. Em junho de 2009, a concessão atingiu a média diária de R$ 7,3 bilhões. “Na média de março da julho de 2009, estamos ao redor da média pré-crise”, afirmou Henrique Meirelles.

O presidente do Banco Central destacou ainda o crescimento das reservas internacionais. Em agosto de 2008, o País acumulava 205,1 bilhões de dólares. No dia 11 de setembro de 2009, mesmo após a crise financeira, as reservas saltaram para o patamar recorde de 221,4 bilhões de dólares. “Outros países em desenvolvimento tiveram dispêndios de reservas muito grandes durante a crise”, lembrou.

Henrique Meirelles ressaltou durante a audiência pública as medidas adotadas pelo Banco Central para combater os efeitos da crise. A instituição injetou liquidez em moeda nacional no mercado, com a redução de depósitos compulsórios (R$ 99,8 bilhões) e o auxílio a pequenos bancos (R$ 41,8 bilhões). Outra medida foi a injeção de liquidez em moeda estrangeira, com os leilões a exportadores (US$ 24,4 bilhões), a venda de dólares no mercado à vista (US$ 14,5 bilhões) e os leilões de swaps cambiais (US$ 33 bilhões).

Leia aqui o documento “Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações”, apresentado por Henrique Meirelles na Comissão Mista de Orçamento.

Dante Accioly

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Desigualdade aumenta, com queda de quase 40% na renda da metade mais pobre da população

De 2014 a 2019, os 10% mais ricos da população elevaram de 49% para 52% a fatia da renda d…