Lula anuncia R$ 939 mi para educação em SP: “Agora a universidade pública é do povo brasileiro”

Lula: "O Estado tem que garantir à filha de uma empregada doméstica o direito de entrar na universidade" - Foto: Ricardo Stuckert

Investimento para educação anunciado neste sábado (29) é destinado a novos campi, novo hospital universitário e melhorias em universidades e institutos federais presentes em 40 municípios do estado

O presidente Lula anunciou, neste sábado, 29 de junho, investimentos para instituições federais de educação e saúde em São Paulo e participou do lançamento da pedra fundamental do campus Zona Leste da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do campus Cidade Tiradentes do Instituto Federal de São Paulo (IFSP).

Ao todo, serão investidos R$ 939 milhões, por meio do Novo PAC, destinados à expansão e consolidação das universidades e dos institutos federais presentes em 40 municípios paulistas, sendo R$ 497,9 milhões para as universidades e R$ 441,2 milhões para os institutos.

Lula destacou que a educação é fundamental para o desenvolvimento de um país, e que ele vai trabalhar para garantir igualdade de oportunidade para todos os jovens que queiram ingressar na universidade. “Eu só ficarei sossegado no dia em que a gente tiver um país em que as crianças disputem uma vaga na universidade, não pelo berço que nasceram, não pelo hospital que nasceram, não. O Estado tem que garantir à filha mais humilde de uma empregada doméstica o direito de entrar na universidade em que vai estudar o filho da patroa”, destacou o presidente.

“Nós queremos formar cidadãos, porque esse país não pode ser eternamente um exportador de commodities, esse país tem que ser um exportador de inteligência, de conhecimento, e por isso nós precisamos garantir educação de qualidade”, enfatizou.

Leia MaisEfeito Lula: Brasil encerra semestre repleto de boas notícias na economia

Os repasses contemplarão a construção de novos hospitais universitários, novos campi de universidades e institutos federais, bem como a consolidação das instituições federais existentes, com foco na construção de restaurantes estudantis, bibliotecas e ampliação de salas de aula, e reformas e expansão de blocos.

“Aqui você pode ser pobre e você tem lugar garantido. Aqui você pode ser preto e você vai ter lugar garantido. Aqui você pode ser da periferia e você vai ter lugar garantido. Não é mais como no passado, que universidade pública era coisa de gente rica. Agora a universidade pública é do povo brasileiro, que responde por 70% das matrículas”, pontuou o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Unifesp

A implantação do Campus Zona Leste da Unifesp prevê a criação de quatro novos cursos de graduação (Arquitetura e Urbanismo; Administração Pública; Engenharia Civil e Engenharia Ambiental e Sanitária), que podem beneficiar até 2.760 novos estudantes. Além disso, outros 240 alunos correspondentes às vagas vigentes nos cursos de Geografia (Bacharelado e Licenciatura) também poderão usufruir das instalações.

Já o novo hospital universitário terá 32 mil metros quadrados de área construída e contará com 350 leitos. A obra terá um investimento de R$ 157 milhões do Novo PAC. A iniciativa ampliará a capacidade de atendimento médico hospitalar na região Sul de São Paulo, além de fortalecer a formação e capacitação médica e multiprofissional.

“A partir dessa obra de hoje, que é uma obra que constrói o que é esse instituto como um todo, nós temos a perspectiva de ter um total de nove cursos de graduação aqui, produção do conhecimento por meio da pesquisa e da pós-graduação. Então eu quero deixar aqui o meu compromisso, o compromisso da nossa comunidade em colocar a nossa universidade a serviço do Brasil”, disse a reitora da Unifesp, Raiane Assumpção.

Leia MaisLula anuncia investimentos em Minas: “Voltamos a melhorar a vida das pessoas”

IFSP

Quanto à expansão do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), serão criados 12 novos campi, sendo dois na capital paulista – além do de Cidade Tiradentes, o de Jardim Ângela, na Zona Sul, cuja pedra fundamental também foi lançada por Lula neste sábado. Os demais serão distribuídos nos seguintes municípios: Osasco, Santos, Diadema, Ribeirão Preto, Sumaré, Franco da Rocha, Cotia, Carapicuíba, São Vicente e Mauá.

A meta é gerar 16,8 mil vagas de educação profissional e tecnológica, com um investimento de R$ 300 milhões. Cada unidade tem investimento estimado de R$ 25 milhões, sendo R$ 15 milhões para infraestrutura e R$ 10 milhões para aquisição de equipamentos e mobiliário. Cada campus terá capacidade de atender, em média, 1.400 estudantes, majoritariamente em cursos técnicos integrados ao ensino médio.

“O Brasil perde por ano quase mais de 480 mil jovens da escola pública do ensino médio brasileiro. Quase meio milhão de jovens, e a grande maioria deixa a escola por questões financeiras. O presidente Lula não quer nenhum jovem fora da escola desse país, porque a educação é o grande caminho para construir o futuro desse país”, afirmou o ministro da Educação, Camilo Santana.

Linha Verde do metrô

Durante o evento, o ministro das Cidades, Jader Filho, anunciou investimento para extensão da Linha 2 Verde do metrô de São Paulo. O Governo Federal, via financiamento do BNDES, apoiará o empreendimento com R$ 7,2 bilhões para obras e aquisição de trens.

A extensão da Linha 2 Verde terá 14 quilômetros de linhas, 13 novas estações e 44 trens, indo da Vila Prudente até Guarulhos. “Se trata de dar uma mobilidade digna para que as pessoas, em vez de ficarem presas no trânsito, possam estar ao lado da família, possam escolher aquilo que querem fazer. Estudar, ir ao cinema”, frisou o ministro.

Do Site do Planalto

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Postagens recentes

CADASTRE-SE PARA RECEBER MAIS INFORMAÇÕES DO PT NA CÂMARA

Veja Também