Menu

facebookflickrtwitteryoutube

Petistas protestam contra manobras dos golpistas para agilizar Reforma Trabalhista

Plenario reformatrabalhista

Artimanhas e manobras foram as marcas que a base do governo ilegítimo de Michel Temer cunhou, mais uma vez, na imagem do parlamento brasileiro, nesta quarta-feira (19), ao recolocar em votação o requerimento de urgência para votação da proposta da Reforma Trabalhista (6787/16), derrotada na noite anterior. A manobra dos golpistas, tendo à frente o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RS), foi duramente criticada por parlamentares da bancada do PT, na tribuna da Câmara.

“É uma vergonha para este Congresso, para este Parlamento, o desrespeito àquilo que foi decidido no dia anterior e, ontem, vem outra votação daquela situação. Eu vou agora obstruir, a todo o momento, em cada comissão em que eu estiver. E vou obstruir também nesta Casa. Não dá para aceitarmos isso sem reação”, desabafou o deputado Luiz Couto (PT-PB).

Ainda, criticou Luiz Couto a forma como o presidente da Casa conduz os trabalhos. “O nosso presidente parece mais um Líder do Governo do que Presidente da Câmara dos Deputados”, alfinetou.

Para o deputado Jorge Solla (PT-BA), o presidente da Casa incorporou o modus operandi do deputado cassado e preso, Eduardo Cunha (PMDB) que rasgou o Regimento Interno da Câmara para fazer valer os próprios interesses. “Ontem, baixou no presidente Rodrigo Maia o espírito de Eduardo Cunha. Mesmo da cadeia, ele continua mandando no Governo. Agora, também adota sua metodologia — quando perde, vota de novo a matéria, até que consiga aprová-la”, denunciou o petista.

Solla comparou o que ocorreu no plenário da Câmara na noite do dia 19 a um assalto. “Eles parecem aqueles assaltantes que entram de madrugada nas casas e têm que correr para roubar o máximo possível, rapidamente, antes que a polícia chegue. É porque sabem que o tempo deles é curto para destruir o Brasil, o tempo deles é curto para é achatar o valor da mão-de-obra do trabalhador brasileiro”, condenou.

Ao se pronunciar, a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) chamou a atenção para o desrespeito com o Regimento da Casa. “Eu não pensava em assistir ao que assistimos ontem. O Regimento foi atropelado — uma falta de respeito —e uma matéria que já tinha sido votada e derrotada voltou à Mesa e teve o apoiamento necessário para descumprir o Regimento Interno e, ainda, lesar o trabalhador brasileiro”, alertou.

Benildes Rodrigues

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotos: www.flickr.com/photos/ptnacamara

Read more...

CUT nacional e parlamentares criticam posição do relator da proposta de Reforma Trabalhista

  • Published in Rádio

gracacostabeneditadasilva1

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Download

Read more...

Reforma Trabalhista foi piorada pelo relator

Benedita tribuna

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) e o deputado Nelson Pelegrino (PT-BA) criticaram duramente em pronunciamento no plenário a proposta de Reforma Trabalhista do governo ilegítimo de Temer.

De acordo com Benedita da Silva, o parecer do relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) é pior do que a proposta original. “O relator atropela a Constituição brasileira, que dá seguridade e garantia, fere os princípios da dignidade, da cidadania e do valor social do trabalho, previstos na Constituição. Além disso, em 60 dias tivemos 117 artigos mexidos nesse substitutivo. É bom que a Casa saiba que em 70 anos apenas 200 artigos da CLT foram modificados”, lamentou a petista.

Para o deputado Nelson Pelegrino, o texto proposto não prevê a mínima proteção ao trabalhador. “A Reforma Trabalhista quer alterar mais de 100 pontos da CLT, permitindo até que mulheres grávidas possam trabalhar em lugares insalubres. Nela também há a questão de o negociado prevalecer sobre o legislado, a partir do que não vai ser respeitado o mínimo de proteção ao trabalhador, e a possibilidade de os acordos feitos no âmbito de uma empresa se sobreporem aos acordos de convenções coletivas e à própria lei também. Não podemos aprovar esta reforma”, disse Pelegrino.

Gizele Benitz 

Foto: Gustavo Bezerra
Mais fotos: www.flickr.com/photos/ptnacamara

Read more...
Subscribe to this RSS feed